quinta-feira, 31 de março de 2011

Semeadura e Colheita

Semeadura e Colheita

Sempre que iniciamos mais um ano, é tempo de novos sonhos e desafios. É tempo de investimento e semeadura. A vida é feita de escolhas e decisões. Se fizermos escolhas erradas e tomarmos a direção errada distanciar-nos-emos do alvo de Deus para nossa vida.

Se fizermos uma semeadura errada, no campo errado, faremos também uma colheita errada. A lei da semeadura e da colheita é universal. Colhemos o que semeamos, e colhemos mais do que plantamos.

Destacaremos alguns princípios para a nossa reflexão:

1. A semeadura exige um tempo de preparação.

Antes de semear um campo, o agricultor prepara o terreno. Lançar a preciosa semente sem primeiro arar a terra é trabalhar para o desastre. Na parábola de Jesus, o semeador lançou a semente à beira do caminho, no chão batido e sem umidade.

A semente não penetrou na terra e por isso, as aves dos céus vieram e comeram-na. Lançou também a semente no terreno pedregoso e a semente até nasceu, mas por falta de umidade, mais tarde secou. De igual forma, semeou no meio dos espinheiros e a semente ao nascer foi sufocada, e mirrada, não produziu frutos.

Apenas a semente que caiu na boa terra frutificou a trinta, a sessenta e a cem por um. Nós somos os semeadores e também o campo onde a semente é lançada. Precisamos preparar nosso coração para receber essa divina semente!

2. A semeadura exige esforço e sacrifício.

O salmista diz que quem sai andando e chorando enquanto semeia, voltará com júbilo trazendo os seus feixes. Muitas vezes devemos umedecer o solo duro com as nossas próprias lágrimas. Semear não é coisa fácil: exige preparo, esforço e sacrifício.


Para semear precisamos sair e nos desinstalar do nosso comodismo. Às vezes, nessa semeadura nós encontramos toda sorte de resistência. Na parábola do semeador a semente foi atacada pelos seres espirituais, racionais e irracionais.

O diabo, os homens, as aves, os espinhos e as pedras conspiraram contra a semente.

O diabo rouba, os homens pisam, as aves arrebatam, os espinhos picam e as pedras ferem a semente.

É por isso, que a semeadura, muitas vezes, arranca lágrimas dos nossos olhos.

Mas, o semeador não desiste por causa do sacrifício da semeadura, ele sai andando e chorando enquanto semeia pela certeza de que a colheita é certa, abundante e feliz.

3. A semeadura determinada a colheita.

Nós colhemos o que semeamos. A colheita é da mesma natureza da semeadura. Aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Quem semeia amizade, colhe afeto. Quem semeia amor, colhe simpatia. Quem semeia bondade, colhe misericórdia.

Quem semeia no Espírito, do Espírito colhe vida eterna; mas quem semeia na carne, da carne colhe corrupção. Não podemos colher figos de espinheiros. A colheita não é apenas da mesma natureza da semeadura, mas também mais numerosa que a semeadura.

Quem muito semeia, com abundância ceifará. Quem semeia ventos colhe tempestade.

A semeadura é apenas um vento, mas a colheita é uma tempestade.

Nossas palavras e ações são sementes que se multiplicam para o bem ou para o mal. Precisamos ser criteriosos na escolha das sementes.

Que tipo de semente nós vamos semear, em nossa vida, em nossa família e em nossa igreja?

Que tipo de semeadura nós teremos em nossos estudos, em nossos relacionamentos e em nosso trabalho?

Como será nossa semeadura em nossa vida espiritual?

Que Deus nos ajude a semearmos com alegria e com abundância no campo certo, usando as sementes certas, para colhermos os frutos certos.

Nós somos a lavoura de Deus e ele espera de nós muitos frutos, pois é assim que ele é glorificado!?
Estrelinha e a Páscoa

Em Uma Fazenda Muito bonita, nasceu Estrelinha; Uma ovelhinha branca com Uma fofinha Bem la; ELA Pequena era Bem e passava tempo com Muito Dormindo Junto a mamãe.

QUANDO acordava Estrelinha, Ela gostava de brincar com amiguinhas SUAS Floquinho e Pupi, brincavam de pega-pega ELAS, apostavam corrida e QUANDO se cansavam, paravam par Beber água limpinha.

Certo dia Como viram Três QUANDO UM Estavam brincando bicho todo arrepiado, estava passando e Quase atropelou Floquinho UM. Ui! Cuidado! Não Vê Onde Anda? _Oh! Desculpe-me, É Que Estou com Tanta Pressa! Se Tomar Cuidado Não vai Acabar Algum atropelando bicho por ai! Disse Estrelinha. Desculpe-me, de novo, mas e apressar Que Tenho Que, POIs Uma Páscoa ESTÁ chegando e eu Preciso entregar Pará Para muitos ovos por ai! Até breve! E assim o coelho Saiu Correndo! Ei Seu coelho não espere, o Sr. Não nsa Falou O Que É Uma Páscoa! Disse Pupi, Mas o coelho Já ia Longe. Como ovelhinhas Três Ficaram Muito curiosas e lá se perguntar Parágrafo UM Foram DN. Aquilo era o Ovelha Que Páscoa "e" ovos "QUANDO perguntaram Dn. Ovelha respondeu:

-Bom eu ia Mesmo Falar-lhes Sobre a Páscoa, Dados Que uma é especial Muito. Sentem-se Perto de Mim Ouvir n linda história ESTA. HA Muito tempo Atrás UM Havia rei mau Que castigava o povo de Deus, Ele obrigava o povo escravos Como Trabalhar. O povo de Deus ERAM OS Israelitas e serviam OS q1ue AO rei malvado egípcios ERAM OS. Mas Deus amava o Seu povo e Decidiu liberta-los para Que Não Mais escravos fossem. OS egípcios castigou Ele então, nove Vezes, eles continuavam Mas Uma israelitas maltratar OS;

Foi ai Que Deus mandou o ultimo castigo, o Décimo; Foi terrível hum castigo, Deus Iria Matar Todos Os Filhos Mais Velhos De família CADA!

-Oh! Que horror, Falou Estrelinha se encolhendo Toda. Seu povo E continuou mamãe: Só Que Deus o amava, então Ordem Uma DEU, CADA UM Deverià família Cordeiro Matar e Passar o Sangue NA SUA porta de casa, assim Ninguém da Iria Morrer casa. Os Israelitas obedeceram e softwares dos Antigos Morreu filhinhos SEUS. Foram Eels libertos da morte! A partir daí, todo ano o povo de Deus sacrificava Uma ovelha Parágrafo Ser Liberto DOS SEUS Pecados.

Puxa mamãe! Então vamos NÓS Também Morrer? Seremos sacrificadas? Não! Disse Uma mamãe sorrindo; E mais isso Não Necessário, POIs Deus Mandou Seu Filho Jesus Que Nasceu lá em Belém; Ele era hum Pequeno nenezinho Bem, Mas Cresceu e Um Dia Ele Foi Crucificado.

Agora Não É preciso sacrificar Mais nenhuma ovelha, Todas libertou Jesus da morte de Pessoas. QUANDO Ele Próprio cruz do Calvário Morreu nd Pagando O Preço do Pecado, Que Tem Aquele Jesus no Coração ESTÁ livre do Pecado.

"Jesus e Cordeiro de Deus Que tira o Pecado do Mundo"

Estrelinha Começou a chorar e Disse: Puxa, ESTA É Uma história triste Mais Que Já Ouvi! Porquê Minha FILHA? Porquê Jesus morto ESTA. Não! Ele vive! Ele Não Ficou morto, AO Terceiro dia Jesus ressuscitou par dar CADA Uma Pessoa, CADA Criança, Uma Vida Nova!

Que maravilha! Então Uma Páscoa é linda, E a Libertação Que Jesus nsa DEU QUANDO Morreu e ressuscitou DEPOIS Como ovelha! - Sim e CADA Criança PoDE tê-lo sem Coração e Ganhar o PRESENTE Que Ele oferece nsa Que É o Céu.

Foi Todas Neste Momento Que Como com Lágrimas ovelhinhas Estavam nsa Olhos de alegria, Mas UM ouviram chorinho, era o coelhinho Que estava escondido e ouvia Toda A Verdadeira história da Páscoa. Puxa! Estou envergonhado Como! Estou Ensinando Coisas erradas, Uma Páscoa hum Não Fazer e Coelho dos ovos de chocolate, mas e de Jesus, o Cordeiro de Deus Que Morreu e ressuscitou Tirar Para o Pecado do Mundo!

_Sim Disse Dn. Ovelha, e devemos lembrar com nsa disso Coração Cheio de Alegria e Gratidão Jesus PORQUE É A Verdadeira Páscoa Para Todos! Eu Preciso Contar isso Para os Meus Amigos! Disse o coelhinho, se Não, eles não Vão saber Sobre a Páscoa de Jesus.

_Nós VOCÊ Vamos ajudar, Disseram Estrelinha, Floquinho e Pupi. Foram então lá se eles Correndo Para Contar A TODOS, A Verdadeira História da Páscoa Que haviam aprendido.

Versículo João 1: 29 b

quarta-feira, 30 de março de 2011

- História A alegoria das Ferramentas - com molde disponível.

A nossa amiga Cris Rouças disponibilizou o molde das ferramenta de eva e eu trouxe para vocês juntamente com a história. Espero que vocês gostem do presente. beijos.

A Alegoria das Ferramentas

Há muito tempo atrás, em uma carpintaria, quando todo o trabalho havia acabado, as
ferramentas começaram a conversar entre si. Elas discutiam para saber qual delas era a mais importante para o carpinteiro.
O Sr Martelo começou: Certamente que sou Eu o mais importante para o carpinteiro!
Sem mim os movéis não ficaram de pé!, pois eu tenho que martelar os pregos!
O Sr Serrote logo quis dar a sua opinião: Você Sr martelo? Você não pode ser! Seu
barulho é horrível! É ensurdecedor ficar ouvindo toc, toc, toc... O mais importante sou eu! O serrote! Sem mim, como o carpinteiro serra a madeira? Eu sou o melhor!
Não, não, não! Falou a dona Lixa: Eu sim sou a melhor! Se não fosse Eu os movéis não
seriam tão lisinhos e perfeitos! Eu sou a mais importante!
Ah! mais não é mesmo! disse a dona Plaina: Eu é quem deixo tudo retinho, e tiro as
imperfeições da madeira. Eu sim sou a indispensável...
Tsc, tsc, tsc... Nada disso, disse a dona Chave de Fenda: Se não fosse Eu, como o
carpinteiro iria apertar os parafusos? EU sim sou a melhor!
Ah! não ! Que absurdo! disse o Sr Esquadro: Eu sou o mais importante! Sem mim os
movéis ficariam tortos!O carpinteiro nem saberia a medida. EU sou o mais importante!
As ferramentas ficaram discutindo até o dia amanhecer...
O carpinteiro chegou para trabalhar, colocou sobre a mesa a planta de um movél e
começou a trabalhar! Ele usou todas as ferramentas. Usou o serrote, o martelo, o esquadro, a lixa, a plaina, os pregos, o martelo, a chave de fenda, a cola e o verniz para deixar o movél brilhando....
Enfim ele acabou. Chegou o fim do dia o carpinteiro estava cansado, mas feliz com o
que tinha feito! Seu trabalho com as ferramentas tinha ficado ótimo!
O carpinteiro foi para casa. Enfim, as ferramentas voltaram a conversar. Só que agora
elas ficaram admirando o que tinham feito todas juntas e o carpinteiro. Sabe o que elas fizeram? Um púlpito de uma igreja! E tinha ficado lindo!
Elas chegaram a uma conclusão: Todas eram importantes!! Aos olhos do carpinteiro.
Ele usou todas! Sem exceção de nenhuma! E o movél tinha ficado lindo!
Elas descobriram que quando todas trabalham juntas tudo anda melhor!!

(Moral da história)
O carpinteiro representa JESUS ou o Pastor de sua igreja, dependendo como você vai
usar essa história. As ferramentas representam os membros, ou crianças.
Cada um de nós tem um valor importante no reino e na obra de DEUS. É ele quem nós
usa e capacita para fazermos a sua obra. Cabe a nós como ferramentas nos deixar ser
usados. (você professor pode colocar a moral que vc achar que se encaixa melhor para a sua turma)









terça-feira, 29 de março de 2011

OFICINA

CRIANDO PERSONAGENS

1 - FANTOCHE DE CONE

Estes personagens podem ser usados para contar histórias. Suas roupas podem ser facilmente trocadas para serem usados em outra ocasião.

TRABALHANDO COM O E.V.A.


1 - BARQUINHO


Este barquinho pode ser usado como lembrancinha para os visitantes para quem decorar o versículo do dia, quem souber recontar lição ou até em datas comemorativas como dia das crianças.

PRODUZINDO JOGOS E BRINCADEIRAS

Não existe criança que não goste de brincar, por isso você professor (a) deve ter sempre á disposição jogos e brincadeiras para alegrar a aula e motivar as crianças.

Os jogos e brincadeiras devem ter um objetivo, e não serem usados apenas para passar o tempo. Eles devem:

- Estimular o raciocínio lógico;

- Desenvolver a socialização;

- Aprimorar a coordenação motora;

- Incentivar o estudo da Palavra de Deus.

RECURSOS DE INCENTIVO

RECURSOS DE INCENTIVO

Para motivar a aula, o professor deve recorrer á artifícios que desperte na criança a curiosidade e o interesse pelo assunto.

EXEMPLOS

- A caixa surpresa : (caixa com uma abertura para pôr a mão, dentro pode ir um objeto relacionado á história). As crianças sentadas em círculo devem descobrir do que se trata, (dê oportunidade para que todas crianças possam participar).

- Pescaria: As crianças podem pescar peixinhos e em cada um pode ter uma letra, que irá formar a palavra do TEMA. (pode ser um versículo).

- Balões com letras : As crianças poderão encher os balões até estourar, cada um deve ter dentro uma letra ou parte do versículo que formarão o tema.

- Forca : Desenhe no quadro a forca e o número de letras (da palavra ou frase). Divida a classe em dois grupos e faça a brincadeira com a classe.

- As histórias objetivas citadas anteriormente (entre outras) também servem com um excelente incentivo.

CRIANDO HISTÓRIAS OBJETIVAS

Usando objetos do cotidiano, você pode ensinar verdades bíblicas importantíssimas para suas crianças. Esses recursos podem ser usados em cultos, EBFS, retiros e inclusive na EBD, reforçando a verdade central da história, ou despertando o interesse das crianças pela história.

O BARCO E O FAROL

Usar um barquinho de brinquedo e o farol, (pode ser um cone de papelão ou de linha).

APLICAÇÃO:


Nós somos como um barco, o mar é a nossa vida, e o porto seguro que queremos chegar é o céu. Assim como o farol ajuda o barquinho a não se perder no mar, Jesus é o nosso farol, se olharmos para Jesus chegaremos ao porto seguro, que é o céu.

Pode se falar também da Bíblia que é como uma bússola que aponta-nos o caminho da salvação.
Também posso falar sobre soltar o cabo da nau. Ou seja, algumas pessoas querem chegar ao céu, mas estão com a vida presa a alguma coisa aqui neste mundo.


A PALAVRA DE DEUS É DOCE MAIS QUE O MEL

Usar uma caixa com uma abelhinha dentro (de brinquedo ou de papel) e uma flor.

APLICAÇÃO:
Dê dicas e espere as crianças descobrirem o que tem na caixa. Depois fale sobre a abelha, o inseto que faz o mel, para ilustrar use as flores. Explique que a palavra de DEUS é doce mais que o mel.

A AULA BÍBLICA

A execução do ensino é uma tarefa de responsabilidade do professor, a ser feita com dedicação e amor. Afinal, você está lidando com pessoas a quem Deus muito ama!

Basicamente, a aula bíblica é composta das seguintes etapas:

1. PREPARAÇÃO DO PROFESSOR

Separe tempo, na semana anterior à classe, para:

- Oração

- Leitura da lição

- Fixação dos objetivos da aula - síntese do que o aluno aprenderá – Exemplo:
Aula sobre o valor da oração


Síntese do ensino
a oração é importante porque é um recurso que Deus nos dá para nosso crescimento e vitória espiritual.

Aplicação prática: levar o aluno a orar, diariamente.

- Preparação da aula em si (recursos didáticos, interações com os alunos, planejamento da aula)

– buscando despertar o interesse do aluno e motivá-lo para a aprendizagem.

2. NA CLASSE:

O professor precisa chegar com antecedência de 15 minutos, para prepara os materiais e ajustar o local (arrumação de cadeiras, ventilação, iluminação, etc.).

Ao entrarem os alunos, postado á porta, cumprimenta-os pelo nome e mostra satisfação em que eles tenham vindo.

Anota os nomes dos presentes e, se houver visitantes, nome e endereço.

A seguir, no horário exato, inicia a aula com uma oração. Então procede com a aula propriamente dita:

1. Leitura Bíblica

É o texto bíblico no qual se baseia a história da lição. A leitura sempre é recomendada, mesmo que depois o professor conte a história posteriormente.

Caso a leitura seja longa, e os alunos de pouca idade, pode-se abreviar ou lê-la de modo dinâmico (exemplo: se há 2 personagens, o professor e um aluno escolhido lêem responsivamente o trecho da fala respectiva a cada personagem).

2. Apresentação do tema ou da história

Pode-se iniciar a aula com perguntas sobre o texto, o com uma explanação direta sobre o mesmo.
Caso a aula seja sobre história bíblica, sugere-se utilizar figuras ou outros recursos para tornar atraente o ensino.


É importante o professor ter em mente que esta não é somente a hora de se contar uma história, mas sim o momento de transmitir ao aluno as verdades divinas.

3. Ponto de Contato - Aplicação da Lição

É o momento de fazer um fechamento do assunto ou da história bíblica, destacando lições que se apliquem ao dia-a-dia e à faixa etária de seus alunos.

Também, você pode aproveitar para avaliar o que aprenderam fazendo perguntas aos seus alunos.

4. Atividades

É hora de usar a revista do Aluno, caso houver. O professor deve dar muita atenção ao aluno nesta fase. É neste momento que ele vai dar o retorno de tudo o que aprendeu e você, professor, poderá avaliar, também, seus procedimentos didáticos e, quem sabe, se for o caso, reestruturá-los.

5. Memorização do Texto

É o momento de os alunos memorizarem o texto áureo. Utilize um suporte visual para essa parte (cartaz ou gravuras).

6. Encerramento

É o último contato em sala e você deve proceder de tal forma que seu aluno perceba sempre uma porta aberta para ele voltar e, de preferência, trazendo visitantes.

Apresentam-se os visitantes e lembram-se dos aniversariantes.

Sempre encerre sua aula com uma oração, dê oportunidade para um aluno fazê-la.

Não se esqueça de despedir os alunos com sorriso e cordialidade, manifestando sincero desejo de revê-los na próxima aula!

Em tempo:

Utilize cartazes, recursos didáticos, exercícios variados, brincadeiras. Faça uso desses recursos e você verá como sua aula ficará movimentada e seus alunos muito mais motivados.

CRIANDO RECURSOS PARA EBD

Sugestões para avaliar o conhecimento dos alunos.

- Caixinha de perguntas : a caixinha de perguntas vai passando ao som de uma música, quando a música pára quem estiver com a caixinha pega uma pergunta e responde.

- Envelope - Quem Sou? Serve para testar os conhecimentos dos personagens da Bíblia. Dentro do envelope irão perguntas do tipo: Sou muito forte e até já matei um leão, quem sou?

- Pescaria : faça os peixinhos em E V A, com uma argolinha de arame presa na boca. Faça uma ou duas varinhas de pesca com barbante e um anzol de arame na ponta. Você pode colar tirinhas de papel com perguntas bíblicas.

PARA APRESENTAR A LIÇÃO OU VERSICULO

- Livro de papel cartão : corte os retângulos de papel cartão de 33 cm x 24 cm, faça quatro cortes nos cantos para prender as figuras. Junte com fita crepe. A cada lição você pode renovar as cores do seu livro.

- Flanelógrafo : para fixar figuras de papel ao flanelógrafo você pode usar lixa ou até papel camurça.

RECURSOS DIDÁTICOS

O professor que trabalha com crianças precisa constantemente de visuais e recursos didáticos para fortalecer seu ensino. O fator mais importante para que ele tenha sucesso nessa área não são as condições financeiras nem as habilidades artísticas, mas sim a CRIATIVIDADE. Esta por sua vez não é um dom, mas uma mistura do aprendizado com a prática durante a vida.

* Pegue idéias de outras pessoas e molde-as para atender a sua necessidade;

* Anote as idéias;

* Amadureça as idéias complementando-as como você puder e não desanime se ela for difícil á primeira vista;

Quando você começar a explorar a sua criatividade, verá que cada vez mais ela irá aparecer, até que se tornará um hábito você buscar e por em prática as outras idéias.

OBSERVE A IMPORTÂNCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NO ENSINO


Retemos:

• 10% do que lemos

• 20% do que escutamos

• 30% do que vemos

• 50% do que vemos e escutamos

• 70% do que ouvimos e logo discutimos

• 90% do que ouvimos e logo realizamos

RELAÇÃO PROFESSOR E ALUNO

Só o fato de estarmos em uma sala de aula ensinando a palavra de DEUS, já é um desafio, pois o inimigo com certeza se levanta e tenta de todas as formas atrapalhar o andamento da aula, inclusive influenciando as crianças.

* Ore. Revista-se de oração e ore por seus alunos também;

* Deixe-os conscientes de que o nosso inimigo não quer que eles estejam ali, e que tentará influenciá-los;

* Conheça seus alunos (crianças também possuem conflitos);

* Mantenha a reverência na sala, mas cuide-se quando estiver irritada;

* Se você prometer algum castigo para a turma por algum mal comportamento, cumpra. Se não pretende cumpri-lo então não prometa;

* Se for necessário repreender uma criança por mal comportamento repreenda, mas não se esqueça de depois conversar com ela amorosamente explicando o motivo da repreensão;

* Os alunos poderão amá-lo se o respeitarem, sem o respeito não há amor;

* Mas não se esqueça que a criança deve agir como criança, por isso dê oportunidade para que elas conversem e brinquem no momento adequado.

LEVANDO A CRIANÇA A LOUVAR

Este é um dos pontos mais importantes de uma EBD. O louvor deve fazer parte da vida do cristão e isso deve começar no berço. Através dos cânticos elas adoram e aprendem verdades bíblicas importantes.

ESCOLHA OS CÂNTICOS

* Com antecedência;

* Se possível de acordo com o tema do dia;

* Deve ser adequado á idade da turma;

* A letra deve ser fácil de entender e sua visualização legível;

* Deve ter uma mensagem espiritual;

* Para as crianças maiores você pode cantar hinos de adultos também;

* Caso a letra do cântico possua um sentido simbólico, o professor deve explicar á classe para que possam compreender.


PARA ENSINAR UM CÂNTICO NOVO

* Escreva num quadro ou cartaz;

* A primeira vez o professor deve cantar o cântico sozinho;

* Explique sobre o que o louvor está falando;

* Cante todo o cântico com eles repetidas vezes quando necessário;

* Havendo partes difíceis de memorização, volte e cante novamente até que possam fixar;

* Você pode dividir a classe em grupos para diversificar um pouco.

USE INSTRUMENTOS MUSICAIS, ELES ANIMAM A AULA E TORNAM O LOUVOR MAIS ALEGRE

* Construa seus próprios instrumentos;

*Ensine-os a tocar no compasso;

* Explique o que você quer primeiro, depois entregue os instrumentos a eles;

* Eles também podem tocar em diferentes partes dos cânticos;

*Depois que eles tiverem bem treinados eles podem tocar em diferentes ritmos;

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO

Efésios 6:18ª Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito.
Se quisermos que nossas crianças tenham JESUS como um amigo, precisamos ensiná-las a conversar com ELE. Através da oração as crianças são motivadas a:


* Reconhecer a presença de Deus na classe;

* Adorar a Deus;

* Crer no poder de Deus;

* Ser gratos á Deus;

* Interceder.

Antes de orar a criança precisa entender:

* Por que oramos?

* Porque pedimos em nome de JESUS?

* Porque fechamos os olhos?

* Porque dizemos AMÉM?

* Porque nos ajoelhamos?

OUTRAS DICAS

* O professor deve incentivar seus alunos a não ter vergonha de orar em voz alta;

* Incentivar os alunos que peçam aos seus pais que orem com ela (culto doméstico);

* Quando possível tenha um cântico sobre oração, para criar um ambiente mais favorável;

* Lembre-se de perguntar se alguém tem um pedido de oração, incentivando-os a crer na oração e na sua resposta. Se possível faça uma arca da oração (para guardar os pedidos);


* O período de oração deve ser breve;

* As frases devem ser curtas e simples;

* Mantenha a disciplina neste momento;

A ORAÇÃO É COMPOSTA POR:

ADORAÇÃO PETIÇÃO CONFISSÃO INTERCESSÃO
LEMBRE-SE de explicar ás crianças que a resposta de DEUS para nossas orações pode ser:


* SIM

* NÃO

* ESPERE

ORGANIZE-SE

Para você ser bem sucedido em seu trabalho é necessário organizar-se.

* Comece o preparo da sua aula durante a semana;
* Chegue na sala de aula com antecedência;
* Não descuide da lembrancinha dos visitantes;
* Planeje sempre que possível alguma atividade diferente;
* Traga novidades para a sala;
* Troque e compartilhe idéias com outros professores;
* Tenha um caderno com as anotações das idéias, corinhos, sugestões e etc.
*SUGESTÕES PARA INOVAR


· Leve cânticos novos;

· Decore a sala como puder (balões, cartazes e trabalhos as aula passada);

· Leve algo relacionado ao tema da aula, para que eles descubram qual é o tema;

· Faça brincadeiras novas;

· Diversifique a maneira de contar histórias (alunos sentados em círculo, em U ou em equipes, duplas e etc).

TERÇA-FEIRA, 31 DE MARÇO DE 2009

METODOLOGIA DO ENSINO CRISTÃO !!!

Qual o objetivo do ministério Infantil? O primeiro e mais importante objetivo é ALCANÇAR CRIANÇAS PARA CRISTO (JOÃO 3.16Porque DEUS amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna). O segundo objetivo é levar a criança ao crescimento espiritual e sadio.

Existem vários métodos de se levar uma criança a conhecer a DEUS, e um dos métodos mais simples e conhecido é o LIVRO SEM PALAVRAS, onde usando apenas cinco cores, podemos explicar todo o plano da salvação para as crianças.

Versículo-chave: JOAO 3-16 Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

1ª PAGINA DOURADA Esta cor nos lembra o ouro, e o ouro nos faz lembrar de um maravilhoso céu, que com amor DEUS nos preparou. (JOÃO 14-2Na casa de meu pai há muitas moradas. Se não fosse assim eu vo-lo teria dito, vou preparar-vos lugar).

2ª PAGINA ESCURA Representa os nossos pecados, que nos impede de ir para o céu, e nos separa de DEUS. (ROMANOS 3-23Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;)

3ª PAGINA VERMELHA Fala-nos do sangue de Jesus, que nos limpa e nos purifica de todo o pecado.

(1 João 1:7 Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.)

4ª PAGINA CLARA Mostra que a criança que aceita a Cristo, poderá ter seu coração limpo. Aproveite esta oportunidade para convidar a criança a aceitar a Jesus Cristo. (Romanos 10:9 Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.)

5ª PAGINA VERDE Representa a esperança de morar no céu. Falamos também do crescimento espiritual, pois assim como uma planta, nós também precisamos crescer e dar frutos ao Senhor.
Para a criança salva você irá enfatizar sobre o crescimento espiritual

* Leitura da bíblia + oração;
* Santificação + consagração;
* Testemunho.

Para contar esta história você pode ainda usar além do livro sem palavras os seguintes métodos;

* História do guarda-chuva ambulante;
* A melancia;
* A palavra JESUS nas cores do livro;
* E outros métodos criados por você.

CARACTERÍSTICAS DO EVANGELISTA !!!

Qualidades
Espirituais

a) Convertido
b) Testemunho
c) Direcionado pelo Espírito Santo

Qualidades Morais

a) Humildade
b) Responsável

Qualidades
Intelectuais

a) Busca pelo conhecimento secular
b) Busca pelo conhecimento da realidade do aluno
c) Conhecimento Bíblico

Qualidades
Sociais

a) Amor ás crianças
b) Dinâmico
c) Paciente e perseverante

A IMPORTÂNCIA DA EVANGELIZAÇÃO INFANTIL

A evangelização pode acontecer em duas etapas. A evangelização de CRIANÇAS SALVAS e a evangelização de CRIANÇAS NÃO-SALVAS. Vamos abordar os dois assuntos em questão.
a) Evangelização de crianças salvas : Conhecer seus alunos, e suas necessidades. Você certamente conhece seus alunos, desde os mais extrovertidos até os mais tímidos. Devemos ensinar a criança SALVA a viver para DEUS, desafiando-a a tal atitude. Não é tarefa fácil manter uma criança nos caminhos do Senhor, com o advento da mídia e dos demais meios de comunicação, as crianças de hoje estão sendo mais alvejadas pelo inimigo, através do uso sem controle destes meios e de suas influências. Eis aí mais um motivo para lutarmos pelas nossas crianças.
b) Evangelização de crianças não-salvas : Estas crianças precisam ouvir a MENSAGEM DA SALVAÇÃO, pois este é o PLANO DE DEUS, salvar a criança e também a sua família. Então procure no meio da sua atividade aplicar a mensagem de salvação. Leve a criança não salva a refletir na necessidade de receber a Cristo em sua vida.
Lembre-se ; a salvação não é apenas o céu para a criança, mas uma nova vida em CRISTO, pois havendo salvação em sua vida, certamente haverá outras mudanças benéficas também em sua família. Muitas são as famílias que recebem JESUS CRISTO através da conversão de crianças.

Evangelista de Crianças !!!

Quais as características de um EVANGELISTA DE CRIANÇAS?
Dentre inúmeras podemos destacar que o EVANGELISTA DE CRIANÇAS é uma pessoa com uma visão promissora do futuro, ele sabe que a sua semente irá germinar em um tempo muito próximo.
Ele interage na vida da criança hoje e amanhã. Estando envolvido com o ministério infantil se preocupa com os seus alunos e também com o crescimento e o desenvolvimento da obra.
O EVANGELISTA DE CRIANÇAS deve estar em diversos lugares, não somente na igreja, ele é um pai, mãe, um professor de EBD ou secular, uma tia do culto infantil ou outra pessoa que tenha condições de ceder amor e tempo para crianças neste ministério, contribuindo assim para a evangelização infantil. Ele é atencioso, humilde, sabe ouvir, compreender e se espelha no MESTRE dos MESTRES. O EVANGELISTA DE CRIANÇAS não é egoísta, mas compartilha. Gosta de novidades e está sempre em busca de alternativas para programar ainda mais seu envolvimento do ensino aos seus alunos.
O EVANGELISTA DE CRIANÇAS nunca sabe tudo, mas de tudo um pouco e também é uma pessoa dedicada em aprender mais a cada dia, e o que ele sabe e aprende muito disso ele usa em sua classe, com o ministério infantil de sua igreja.

Técnica para contar Historia !!!

- Contar histórias ao contrário do que muitos pensam, não é unicamente um dom, mas também é uma habilidade que se adquire com técnica e prática:

* Ore;
* Dependa inteiramente de Deus sempre;
* Leia - mesmo se a história estiver escrita em outro lugar, leia-a na Bíblia, pois ela é o melhor referencial;
* Encontre o alvo – o que você quer ensinar através desta história?
* Escolha apenas um foco específico - apesar de haver inúmeras verdades espirituais, nós devemos ensinar uma de cada vez;
* Seu alvo deve ser claro. Você não precisa dizer: o nosso alvo hoje é (........) mas fale sobre ele no decorrer da história, exemplo: Hoje vamos aprender sobre: amar Deus em primeiro lugar;
* Nunca decore ou leia a história para as crianças;
* Para facilitar na ora de contar a história o professor pode fazer um esboço da história antecipadamente;
* O esboço deve conter frases curtas e objetivas;
* Se eventualmente o professor se perdeu, poderá consultar o esboço.

PARTES DE UMA HISTÓRIA

1) INTRODUÇÃO: aqui você irá prender o interesse das crianças. Pode ser com uma pergunta; quem aqui gosta de verduras? Um objeto, uma figura, ou uma palavra apresentada de uma maneira diferente.

2) DESENVOLVIMENTO: é o corpo da história, de como os fatos se desenrolam,

3) CLIMÁX: é o ponto mais interessante da história, é possível que depois deste ponto a atenção das crianças diminua, neste momento você pára e aplica o seu alvo (não prolongue o momento de aplicação).

4) CONCLUSÃO: é onde se fala da solução do problema da história, deve ser breve e pode aproveitar esta parte para fazer o apelo á oração.

* Fale a linguagem das crianças;
* Use a imaginação. (Não é porque não está na bíblia que não aconteceu)
* Se esquecer de mencionar algo, não volte atrás;
* Na sua história deve ter:
* Diálogos, efeitos sonoros, ações e gestos com as mãos;
* Pausa e entonação na voz;
* Expressão facial;
* Objetos ou alimentos;
* O tempo da história não deve passar de 15 á 20 minutos, salvo exceção;
* Você pode contar a história de um ponto de vista de um personagem;
* Se ainda não tem prática, se retire para um lugar á parte e treine a sua história antes de contá-la;

QUINTA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2009

Como contar histórias !!!

Principles of Story Telling, Barry McWilliams Traduzido e publicado com autorização do autor.

** Passe segurança! Não se desculpe ao começar, nem em palavras nem com uma expressão corporal encurvada.

** Conte em suas próprias palavras. Deixe a imaginação funcionar - isto é o que cria mágica e não malabarismos da memória.

** Se der branco, continue. Não faça caretas, chingue nem desculpe-se. Continue descrevendo detalhes de cores, locais.. isto estimula a imaginação e ajuda a memória. Ou então faça uma pausa, olhando todos nos olhos, como para levantar suspense (não olhe para o chão). Improvise!

** Mantenha as histórias até 10 minutos de extensão. Ensaie e cronometre.

** A introdução é crucial. Você vai ganhar ou perder nos 3 primeiros minutos dependendo de como você começa.Você tem que criar sua audiência no grupo de crianças, cada uma com seus próprios pensamentos e focos de atenção, antes que você possa começar a contar uma história para elas. Deve haver, na introdução, o indício de que coisas excitantes irão acontecer, incitando a curiosidade, unindo as crianças em antecipação. Não dê tudo na introdução. Sempre mantenha um certo nível de mistério, antecipação e surpresa durante toda a história.

** Nós adultos tendemos a subestimar a capacidade das crianças de imaginar e fantasiar, e assim, muitas vezes fazemos muitos esforços para esplicar ou justificar o cenário, ou explicar tudo com detalhes. Na verdade, o que atrai as crianças é a possibilidade de entender os aspectos implausíveis da história depois; o que é ótimo, você tem a atenção delas e elas ficarão pensando no que você disse.

** Para contar histórias você precisa de um pouco de habilidade em vendas, sinceridade (não tente fingir alegria, tristeza, etc.. seja verdadeiro!), entusiasmo (não significa ser barulhento ou articificial), animação (em gestos, voz, expressão facial) e mais importante, ser você mesmo.

** Nós queremos que a mensagem chege clara e bem definida. Nosso objetivo é comunicar as verdades da Bíblia de uma maneira pessoal e com uma aplicação clara. Seja qual for a maneira que você conte a história, tenha certeza de ser objetivo! Não assuma que as crianças vão entender. Torne a história o mais real possível. Não conte a história de uma maneira cansada ou mal resumida. Pule dentro da narrativa, com a mesma intensidade que os fatos... escolha UM ponto e conte-o como se fosse a notícia mais interessante do mundo.

** Mantenha simples e direto.

** Uma vez terminada a história, não fique divagando e corrigindo. Deixe os pensamentos das crianças presos no ponto da história, na mensagem central.

** Quanto mais você praticar, melhores ficarão as suas técnicas. Teste diferentes métodos, seja criativo. Você sempre aprende com suas experiências. Não seja extremamente tímido ou preocupado "com o que os outros irão dizer se...". Não tenha medo de ser um palhaço ou fazer papel de bobo para Cristo e para as crianças. Humildade, amor e oração são elementos importantes para contar histórias, juntamente com criatividade e inovação. As crianças pegam muito mais do que a história de você; elas percebem o seu entusiasmo pessoal com a mensagem. Elas precisam ver que você foi tocado pela Palavra. Prepare o seu coração enquanto prepara a história.

** Tenha certeza de colocar algum drama, suspense na história. Deve haver uma situação que dirija ao climax e ao final da história. O conflito pode ser introduzido imediatamente ou aos poucos para aumentar o suspense e a intriga. Tente levar os ouvintes a se preocupar junto com os personagens e se envolver com o que acontece.

** O professor deve estudar a lição muito bem. Você precisa saber muita coisa para poder ensinar um poquinho.

** Crianças aprendem com seus sentidos. Elas adoram sentir, cheirar, tocar, escutar e ver. Descreva personagens e locais vividamente, ajudando-os a solidarizar-se com os personagens.

** Numa audiência mista, tente colocar a história ao nível do mais novo.

** Características de uma boa história:Tema único e bem definido; Enredo bem desenvolvido; Estilo: imagens vívidas, sons e ritmo agradáveis; Caracterização; Coerente com a fonte; Apelo dramático; Apropriado e adequado aos ouvintes.