segunda-feira, 28 de abril de 2014

BUQUE DE PAPEL CREPON DIA DAS MAES

Buque de doces, para arranjos de festas usando balas e papel crepom.
Dica e imagens que encontrei


Acima, tudo que vai precisar: Papel crepom fita larga,fita fina , varetas cobertas para o caule (pode usar arame fino comum encapado com fita crepom verde),fita adesiva verde,tesoura,cortador,palitos de churrasco, tecido tipo organza para arranjos, hastes decorativas em plástico ou similar.


Corte os arames cobertos em pequenos pedaços


Corte os papeis, acima temos as medidas, pode fazer menor ou maior dependendo do tamanho que queira seu buque.





Recorte parte do papel e sobreponha acima e a seguir coloque a bala na posição que mostra a imagem.

Enrole o papel cuidadosamente


Coloque dentro a ponta do arame que cortou mais curto e enrole o papel até que fique bem apertado.



A seguir enrole a fita adesiva ou tiras de papel crepom depois de passar um pouquinho de cola nos arames.


A seguir  de voltas com a fita mais fina e amarre sobre a bala.


Abra o papel crepom dando forma a flor.


Puxe as beiradas com a ponta dos dedos, para alargar a flor.

Faça várias flores para formar o buque


Vá aplicando cada uma delas sobre o palito de churrasco usando a fita adesiva verde ou tiras de papel crepom com um pouquinho de cola branca. Uma quantidade bem pequena é suficiente para prender o papel sem causar manchas.Aplique junto, de forma alternada, os cabinhos verdes ou pequenos galhos usados em decoração e arranjos de flores


Deve ficar assim como mostra a figura. Desse modelo você pode variar, mudar cor e quantidade de flores.



Depois é só completar com tecido delicado e transparente do tipo organza, amarrar com fita larga e aplicar um laço pronto


Ficou lindo.É uma ideia muito boa para festas de meninas.
Encontrei essa dica com as imagens

quarta-feira, 16 de abril de 2014

HISTÓRIAS BÍBLICAS INFANTIL

HISTÓRIAS BÍBLICAS INFANTIL
O SURDINHO
A meninada toda estava na rua. Como era divertido brincar com o surdinho!
- Sur-di-nho! Sur-di-nho! – chamavam os meninos.E batiam nele de um lado e de outro. O menino surdinho até ficava tonto. Os garotos às vezes caçoavam tanto dele, mas tanto, que o surdinho corria pra casa, chorando, chorando. Um dia os meninos abusaram demais. Chegaram até a lhe dar tapas, pisar nos pés, beliscar e empurrar com tanta força que surdinho caía no chão.Queria ir para casa, mas não podia… Os moleques o agarravam… Assim que conseguiu escapar, fugiu, deixando os moleques rindo e caçoando dele. Mamãe – vocês sabem como são as mamães – logo percebeu que alguma coisa não ia bem. Correu e abraçou Surdinho.- Que foi filhinho, que foi?
Ele também abraçou a mamãe e chorou muito, muito. Depois enxugou os olhinhos, ameaçou um sorriso, jogou um beijo para mamãe e saiu. Ela estava fazendo o almoço e com gestos falou que ele não demorasse. Mamãe ficou em casa com um aperto no coração.Surdinho passou escondido pela rua. Quando viu um menino, entrou num jardim até que o garoto sumiu. Olhou dos lados e não viu ninguém. Começou a correr, até ficar muito cansado. Daí começou a andar devagar. Estava tão distraído que nem sabia por onde andava. Seu coraçãozinho estava muito cansado. Sabem? Ele se achava fora da cidade. Longe, não?De repente, Surdinho viu o trilho do trem. Começou a andar nele e a se equilibrar. Pulava nas madeiras que seguravam os trilhos. Achou tão gostoso brincar ali, sozinho, que até começou a sorrir. E pulava, pulava e ria bastante. Era a primeira vez que isso acontecia.Sua mãe, lá em casa ficou aflita, e cada vez mais aflita. Lembrou-se do Surdinho, da sua tristeza, e pensou: “Está acontecendo alguma coisa com ele. Saiu correndo para a rua. Viu os meninos brincando.
- Hei, sabem do Surdinho?
- Não está em casa?
- Não, ele saiu e não voltou. Ajudem-me a procurá-lo.
Surdinho continuava correndo pelo trinho, rindo, rindo.
- Piuiiii! – apitou o trem, lá longe.
Mamãe ouviu aquele apito e gritou:
- O trem, o trem!
Ela correu em direção à linha do trem. Os meninos foram atrás.
- Piuiiiiiiii! – apitou o trem mais forte, mais perto.
De longe mamãe viu Surdinho pulando e o trem se aproximando. As crianças começaram a gritar. Ficaram desesperadas. Queriam passar na frente do trem. Mamãe, chorando, gritou:
- Filhinho!
O maquinista do trem viu o menino, tentou brecar, mas não deu tempo…
O Surdinho morreu! Mas morrer é simplesmente ir morar no céu, com Jesus, um lugar lindo e maravilhoso. Agora Surdinho estava feliz no céu. Agora ninguém caçoava dele e podia ouvir tudo, tudo. Ouvia a voz de Jesus, tão meiga e amiga.
Os meninos choravam arrependidos. Haviam maltratado tanto o Surdinho que ele fugiu para longe e o trem o matou. Agora o jardim perdeu a graça. A rua ficou triste sem Surdinho. As crianças não quiseram mais brincar na rua. Nunca mais caçoaram de outro menino. Nunca mais jogaram pedra num aleijado. Nunca mais riram de um bobinho. Nunca mais bateram num surdinho. Nunca mais, nunca mais.
E vocês? Têm tratato sempre com bondade e alegria as pessoas que são aleijadas, ou têm algum problema? Quando você vir alguém assim não critique nem dê risadas. Ao invés de você criticar, ore por ele. Jesus ensinou claramente que devemos amar uns aos outros. Quando alguém abusa de nós, devemos pagar o mal com o bem. Jesus promete recompensar-nos se assim fizermos.
Fonte: A história “O Surdinho” é de autoria de Esther Martins Pereira publicada pela Book Press Editora.  (procure na livraria mais próxima e não deixe de adquirir)

1) Abrão toma uma decisão
Abrão, casado com uma linda mulher resolve tomar uma decisão: deixar seu país, seus pais e tentar a vida em outro lugar. Ele ouviu uma voz – um chamado e aquilo ficou queimando em seu coração.
Era uma voz que dizia assim:
Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para uma terra que eu lhe mostrarei.
Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma benção. Abençoarei os que o abençoarem e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados.
Hum… uma boa proposta!!!
2) A primeira obra de Abrão
É… Abrão não pensou duas vezes. Aos seus 75 aninhos de vida, leva sua esposa – a linda Sarai, o sobrinho querido – Ló, seus empregados e parte para uma terra tão diferente da sua. Essa terra era Canaã. Já tinha gente morando lá, mas Abrão não se importou e a primeira obra de Abrão naquela terra foi a construção de um altar.
Isso significa que para ser um bom cidadão é preciso colocar Deus em primeiro lugar. É deixar Deus na frente de todo o empreendimento. Esse Abrão era bem inteligente.
3) Resolvendo pacificamente as coisas
Abrão não tinha um lugar fixo, explorou a terra. Ele foi enriquecendo tanto, que mal tinha lugar para ele e o sobrinho Ló apascentarem os seus rebanhos. Começaram as brigas entre os seus empregados. Mas… pacificamente houve uma divisão de terras. Abrão dividiu aquelas amplas terras em duas partes e deixou que o primo Ló escolhesse aonde ele queria ficar. A parte que sobrou ficou para Abrão.
Um bom cidadão é sensato e pacificador. Ele sabe que independente do lugar, ser bonito ou feio, Deus o abençoará.
4) Guerra a vista
É… teve uma guerra. Essa guerra foi bem pertinho do lugar onde Abrão vivia, lá no lugar onde o sobrinho Ló escolheu para habitar. Guerra sempre é ruim. Morrem pessoas, há escassez de alimentos, saques. E quando você sabe que um parente teu é refém de guerra? Pobre Abrão… teve essa triste notícia. Seu sobrinho Ló era refém de guerra. Será que Abrão se escondeu debaixo da cama? Ficou em cima do muro? Não!!!! um bom cidadão pensa e age. Ele convocou 318 homens da sua casa, fez plano, deu instruções – perseguiu os seus inimigos e resgatou os prisioneiros, inclusive os bens. Foi vitorioso. Os reis queriam dar para ele dinheiro, presentes, mas Abrão não quis nada disso. A sua riqueza procedia de Deus e não de homens.
Ao invés de receber presentes ele deu. Deu para um sacerdote de Melquisede 10% de tudo quanto tinha.
Abrão não recebe aquilo que não lhe pertence. Um bom cidadão ajuda. Doa um pouco de si para os outros.
5) Uma aliança que muda o nome
Abrão rico… rico… mas sem filhos. Ele queria um filho para ser o seu herdeiro, para ensinar-lhes as coisas que tinha aprendido no decorrer da vida. Ele queria ensinar a sua fé. Mas ele já estava tão velhinho. Tinha quase 100 anos e nada de filhos. Deus promete-lhe um filho e faz uma aliança com ele.
Deus muda-lhe o nome – de Abrão, passa a ser chamado Abraão.
Abrão = pai exaltado
Abraão = pai de muitas nações.
Sarai passa a chamar-se Sara = princesa
Um bom cidadão tem uma aliança com Deus.
É… Deus cumpre o que promete. Aos 100 anos nasce Isaque – o filho de Abraão com Sara e a família fica mais feliz.
6) Algumas obras de Abraão
Abraão planta árvores – Gen. 21:33
Um bom cidadão fica preocupado com o bem estar da população. Plantar árvores e um bom sinal, pois o bom cidadão não desmata, mas planta.
Abraão cava poços – Gen. 21:30 –
Um bom cidadão preocupa-se com o bem estar da população. A água é algo muito importante, sem ela é impossível viver. Esse exemplo de cavar poços foi passado para seu filho Isaque que passou para seu filho Jacó. Um bom cidadão dá bons exemplos e bons ensinamentos para seus familiares. Você sabia que o poço de Jacó, que era neto de Abraão ainda era usado nos tempos de Jesus (João 4:6). E Jesus só veio ao mundo uns 2000 anos depois de Abraão.
Abraão constrói altares – Gen 12:7, 8 , 13:18 – 22:9 -
Um bom cidadão começa a sua trajetória construindo altares – ou seja, buscando a presença de Deus e termina a sua trajetória construindo altares – ou seja, permanece buscando a presença de Deus.
Que possamos aprender muita coisa com Abraão – o bom cidadão.

Era uma vez um menino bem pobrezinho.
O nome dele era Carlos. Mas… todos o chamavam de Carlitos.
Seus pais moravam em uma casinha alugada, num sítio bem próximo a cidade.
Seu Tonico, era o papai de Carlitos. Ele trabalhava em uma marcenaria, construindo mesas, cadeiras, armários.
Ele amava muito o seu filho Carlitos e ficava muito triste por não poder lhe dar belos presentes.
O natal estava chegando… e mais uma vez, o pequeno salário do sr. Tonico estava reservado para pagar o aluguel da casa e pagar os alimentos que comprara fiado no armazém do sr. Joaquim.
Seu Tonico estava muito triste por não poder comprar um presente para o filho. E enquanto caminhava naquela tarde quente até sua casa, teve uma linda idéia.
Ele decidiu fazer um pião com as sobras das madeiras da marcenaria onde trabalhava e que eram jogadas fora.
Assim… por vários dias, após terminar o seu serviço, ele continuava na marcenaria fazendo o pião com muito amor e carinho.
E assim que concluiu o serviço, olhou para o piãozinho e ficou muito feliz.
Até que ele era bem bonitinho.
Na véspera do Natal, ele colocou o pião no armário da cozinha e pediu que Carlitos fosse até lá, pegar um copo com água…
Como Carlitos era um garotinho muito obediente, logo foi ao armário da cozinha para pegar um copo e enche-lo com água.
Ao chegar perto do armário, logo avistou um lindo pião.
Tão lindo que Carlitos nem conseguiu lembrar do copo d’água para o papai.
O pai que estava vendo tudo, sorriu feliz. E Carlitos ficou mais feliz ainda, pois esse foi o seu primeiro presente de natal.
Agora… aonde Carlitos ia, levava o pião. Até colocou o nome nele de Frederico.
E até que o Frederico era bonitinho. Ele tinha listras azuis, verdes, amarelas e vermelhas. Seu rostinho era alegre e tinha um dente só… Era bem engraçadinho também.
E Carlitos gostou muito, muito, muito do presente do seu pai.
E assim Carlitos e Frederico tornaram amigos inseparáveis. Na escola, ele ficava guardado no meio dos cadernos. Na hora do recreio, ele comia a merenda rapidamente para brincar com o seu pião. Na hora de dormir, ele colocava Frederico ao lado do travesseiro para que quando acordasse pela manhã pudesse brincar com seu amiguinho pião.
Um dia, Carlitos precisou de mudar de casa. E assim começou a mudança, Carlitos com medo de perder o Frederico, colocou-o dentro do armário da cozinha.
A carroça, puxada a cavalos fez a mudança dos moveis. E num determinado momento, algo terrível aconteceu… Já estava chegando perto da nova casinha, quando a carroça bateu a roda em uma pedra, a porta de um dos armários se abriu e Frederico saiu rolando pelo caminho. E lá ficou Frederico… em meio as folhas e madeiras, no meio do caminho.
E ninguém nem percebeu…
Após descarregarem os poucos móveis de seu Tonico, Carlitos estava impaciente pois queria brincar logo com o pião. Mas ao procurá-lo… não encontrou. Procurou, procurou, procurou e nada.
Carlitos ficou muito triste e chorou, chorou, chorou…
Sua mamãe ficou muito triste por ver seu filhinho chorando. Tentou achar o pião, mas foi inútil.
Decidiu então fazer um bolo de fubá, o predileto de Carlitos. Começou a preparar a massa, só que não tinha lenha no fogão. Eles eram muito pobres, por isso, o fogão deles não era à gás, mas sim a lenha. Daí… pediu para que Carlitos fosse buscar um pouco de lenha nas redondezas…
Como Carlinhos era obediente, logo foi procurar a lenha, mas estava tão triste e chorando que nem percebeu direito o que estava fazendo. Foi catando uns gravetos daqui, outros ali e nem prestou atenção que junto com os gravetos e folhas secas estava o seu pião.
Ao chegar em casa, colocou os gravetos no fogão e sua mãe, acendeu o fogo.
Carlitos tão triste, olhou para a pequenina chama e para a sua surpresa… o que ele viu?
Frederico.
Carlitos não pensou duas vezes, voou até aonde estava Frederico e tirou-o o fogo rapidamente, antes que queimasse o seu amiguinho.
A mãozinha de Carlitos ficou meio chamuscada… A mamãe ralhou com ele, porque crianças nunca devem mexer com fogo…
Mas… Carlitos mesmo com as mãos machucadas conseguiu salvar o seu amigo Frederico. Sabe por que? Ele não desprezou o presente que seu pai lhe deu. Esse presente era muito precioso.
Isso me faz lembrar um presente muito precioso que Papai do céu nos deu. Esse presente chama-se Jesus Cristo. Nunca despreze esse presente precioso. Ame Jesus Cristo e o tenha como seu melhor amigo, porque Ele deu sua vida para nos salvar…

Menino Feliz
Autora: Aurelina Silveira Ramos
(por favor, não se aproprie de minhas historinhas, mantenha o nome da autora)
(COPIADO DE LINOCAKIDS)
Todo menino ou menina deveria ser feliz. Hoje vou contar a história de um menino que se chamava Riso.
E como todo bom Riso ele era feliz.
Seus pais, já eram velhinhos quando ele nasceu. Ele veio num momento onde já não havia mais esperanças.
Muitas crianças nascem assim. Quando tudo parece que não vai ter jeito, Deus dá um jeito.
Eu acho que Deus quer que a gente encare a vida assim! Confiando nele, pois somos filhos da sua promessa.
E é assim que toda criança deve ser. Pelo menos é assim que o nosso Papai do Céu quer para cada criança. Mesmo que você não tenha seu pai ou sua mãe… mesmo que haja tanta coisa ruim que rola em sua casa… tem um papai do céu, o pai da promessa que te vê com carinho e que quer te ver feliz, pois Ele também tem um filho e Ele sabe o que é isso. O coração do pai fica feliz quando você vence, quando você acerta. Ele está sempre torcendo por você. Por isso Ele te ama!!!
E quer saber… o menino Riso era assim também. Tudo era motivo de festa, tudo era motivo de alegria. Quando ele foi desmamado teve até uma festa para o menino Riso.
E assim foi crescendo o menino. Entre pastos verdejantes. Gados, ovelhas, bodes, riachos. Menino paparicado. Menino feliz. Que pulava, gritava, subia em árvores, que nadava no riacho. Que estava sempre feliz, pois seu nome era Riso.
Era um menino curioso, que gostava de passear com o pai. Que perguntava as coisas. O pai era o seu herói.
E assim ele foi crescendo, crescendo. Um dia ele foi chamado para fazer uma viagem com o pai. Era uma viagem longa, prum lugar chamado Moriá. Lá seu pai iria fazer um sacrifício. Fazia parte da religião do seu pai e por isso ele deveria ir.
O menino Riso estava todo feliz como sempre. Viajar sempre é bom e ainda com o seu pai. Estava tudo preparado. Ia até dois empregados seu… Tinha muita comida gostosa que mamãe Sara preparou para comerem no caminho. Tudo arrumadinho, até madeira tinha para o sacrifício. E assim eles viajaram por um dia: descansaram, comeram e conversaram. O pequeno Riso percebeu um certo ar de preocupação no olhar do pai, mas não se importou, pois seu pai sabia de tudo. E assim viajaram mais um dia. Riso perguntava muitas coisas, ia à frente, corria, ficava cansado, pedia para descansar, pedia água, comida… E assim foi mais um dia de viagem. No terceiro dia, seu pai avistou o monte e falou para os empregados ficarem ali, cuidando do jumento, das coisas de viagem que ele e o menino iriam fazer o sacrifício, mas voltariam depois.
O menino Riso, com seus olhos observadores vê o pai separando a madeira colocando em seus ombros, vê as brasas fumegantes para o fogo, uma faca. Percebe que falta algo. O pai esquecera de algo… porém percebe o olhar distante do pai.
É melhor segui-lo em silêncio. Não é momento para risos ou palhaçadas. É um momento solene. Porém uma dúvida paira no seu coração.
E ele não consegue mais segurar sua dúvida… pois todo menino é muito perguntador:
- Pai!
- Sim meu filho?
- O senhor não está esquecendo nada? Olha… tem a brasa, a madeira e a faca… Mas cadê o cordeirinho para ser morto?
- Ah filho… Deus vai arrumar o cordeirinho.
O pequeno Riso prossegue feliz com o seu pai, pois ele confia nele e seu Pai confia em Deus.
E assim chegam no lugar do sacrifício.
É… este é um lugar de decisões. Onde muitas coisas acontecem pela fé. E lá estava o menino feliz e o pai da fé.
O menino feliz percorre os olhos e não vê cordeirinho coisa nenhuma. Começa a ficar apreensivo. Seu pai pega-o no colo, amarra no altar.
O menino que era riso fica assustado. Seus olhos brilham, uma lágrima parece querer escapar.
O menino Riso olha para uma faca afiada vindo em sua direção. Mas ela não chega atingi-lo, pois a providência do céu chega. Um anjo aparece e impede o menino de ser sacrificado.
O menino Riso suspira aliviado.
Um barulho nos arbustos, um balir. Ali um pequeno cordeirinho está preso. O pai Abraão solta o menino Riso e pega o cordeirinho e o sacrifica em seu lugar.
E assim o menino Riso, agora tem motivos para rir, pois ele foi sua vida foi poupada, porque um cordeirinho foi sacrificado em seu lugar.
E nunca mais o menino Riso esqueceu desse dia. O dia do sacrifício de Moriá, onde um cordeirinho morreu em seu lugar e depois desse dia, aprendeu a confiar no Deus do seu pai, o pai da fé.
E hoje eu quero dizer aos meninos e meninas felizes, meninos e meninas assustados, meninos e meninas amedrontadas, meninos e meninas que choram, meninos e meninas que brincam, enfim, aos meninos e meninas do Brasil que mesmo que vocês passem por uma situação muito difícil como o menino Riso, não desista de sonhar, de viver, pois existe um Paizão que um dia teve um filho chamado Jesus e que não o poupou por causa do seu amor por nós e por isso, seu único filho sacrificado em nosso lugar. Jesus Cristo é o cordeiro da providência, aquele que foi morto em nosso lugar. Então confie em Deus, entregue se Jesus com o coração grato e aliviado, pois era você que deveria ser morto, mas Jesus fez isso por você para que sejas feliz. Dê um suspiro aliviado, sorria e como o menino Riso, nunca esqueça desse dia feliz… Porque Jesus te ama e já fez o mais difícil por você.
FELIZ DIA DAS CRIANÇAS, com muito riso!!!!
Lina
Texto base: Gênesis 21-22
(pra quem não sabe, Isaque quer dizer Riso)

FONTE:O AZEITE DA VIÚVA

POSTADO POR DESSA
O AZEITE DA VIÚVA
Texto Base: 2Reis 4:1-7
Versículo para memorizar: “O meu Deus, segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus, cada uma de suas necessidades.” Filipenses 4:19
Objetivos:
Saber que Deus pode suprir as nossas necessidades
Sentir-se agradecido pela bondade de Deus
Musicas: “Ação de Graças”
História
Certo dia, uma mulher foi pedir ajuda a Eliseu. Seu marido havia morrido. Ele havia estudado em uma das escolas dos profetas. Eliseu devia conhecê-lo. Quando o homem morreu, ele devia algum dinheiro para outro homem.
- O homem quer levar meus dois filhos para serem escravos para pagar a dívida – contou a mulher a Eliseu.
- O que você tem em sua casa? – perguntou-lhe Eliseu.
- Apenas uma jarra de azeite – respondeu ela.
- Vá e peça emprestadas quantas jarras você conseguir – disse Eliseu. – Feche sua porta e derrame o azeite de sua jarra dentro de todas as outras jarras.
A mulher fez exatamente como Eliseu lhe disse. Ela e seus filhos foram a todas as pessoas que eles conheciam e pediram jarras emprestadas.
Quando não conseguiram emprestar mais, entraram em casa e fecharam a porta. A mulher começou a derramar o azeite de sua jarra dentro das jarras emprestadas. Jarra após jarra foi enchida. Finalmente, não havia mais nenhuma jarra vazia em parte alguma!
A mulher correu e contou a Eliseu.
- Vá e venda o azeite – disse Eliseu. – Pague suas dívidas. Você e seus filhos podem viver do restante do dinheiro.
Esta é uma lição sobre Graça
Deus fez mais do que simplesmente cuidar do problema dessa viúva.
Ela não só foi capaz de vender o azeite para pagar as dívidas, mas teve sobra suficiente para continuar a viver.
O azeite da viúva poderia ter continuado a fluir do seu jarro, mas ela não tinha mais vasilhas.
A graça de Deus mais do que supre as nossas necessidades. Ela nunca se esgota.
Nós é que não temos mais espaço para aceitar Suas bênçãos.
Reforçando a lição
Necessidades e Bênçãos
Colocar os dois copos na frente da sala, um identificado com a palavra “necessidades” e o outro com “bênçãos”. Distribuir aos alunos várias bolinhas de gude ou pedrinhas.
Pedir que os alunos pensem tanto em necessidades não supridas em sua vida — algo que eles precisam que Deus faça por eles agora — como em bênçãos que Deus já lhes concedeu ou tem concedido regularmente.
Pedir que um por vez os alunos mencionem uma necessidade ou uma bênção ao colocarem no copo apropriado uma das bolinhas/pedrinhas.
(Salientar o fato de que algumas coisas podem ser tanto necessidade como bênção, dependendo da situação do aluno. Um abrigo, por exemplo pode ser uma necessidade para uma pessoa sem teto, mas uma bênção para os alunos que têm um lar.)
Parar quando um dos copos transbordar de bolinhas ou pedrinhas.
Qual a conclusão?
Qual dos copos ficou cheio primeiro?
Quantas necessidades verdadeiras temos que Deus ainda não supriu? Vamos pedir a Ele? Vamos dizer juntos nosso Verso Para Memorizar?
Não importa como as coisas nos pareçam no momento, podemos estar seguros de que:
A FONTE DA GRAÇA DE DEUS NUNCA SE ESGOTA.

O BISCOITÃO
Versículo para memorizar: “Em tudo dai graças.” 1Tessalonissenses 5:18
Cântico: “Deus mandou o sol brilhar” – Cânticos de Salvação vol.4 da APEC
Dica: Recorte as figuras e coloque atrás de cada uma delas um espeto de churrasco, preso com fita adesiva. Porque assim fica bem mais fácil de manusear, como se fosse uma placa.
História
Filipe acordou bem cedinho para ir à escola. Comeu um delicioso biscoitão no seu café da manhã. Hummm!!! Que delícia!
Como é bom poder comer e ter o que comer. Deus nos ama tanto que sempre nos dá o que necessitamos para comer. O que você comeu hoje? (deixe as crianças falarem). Deus ama muito a cada um de nós. Ele criou todas as coisas e criou você e a mim. Ele é Perfeito e santo e está no Céu. E porque nos ama, quer que estejamos para sempre com Ele. A Bíblia dis em João 3:16: “Porque Deus amou o mundo…” Quem está no mundo? Sim, você e eu. Você pode colocar o seu nome no lugar da palavra mundo. Cada vez que você comer alguma coisa, lembre-se que é Deus que nos ama e nos dá a comida, como o biscoitão gostoso que Felipe comeu.
Felipe estava tão contente que disse à sua mãe: “Muito obrigado pelo biscoitão, mamãe.”
Mas a mamãe respondeu: “Você não deve agradecer a mim, mas ao padeiro, que fez o biscoitão.”
Felipe correu para a padaria e disse ao padeiro: “Sr. padeiro, muito obrigado pelo delicioso biscoitão que eu comi hoje no café da manhã.”
O padeiro então disse: “Não me agradeça, agradeça ao fazendeiro que plantou o trigo para termos a farinha de trigo pra fazer o biscoitão.”
Daí, Felipe foi até o fazendeiro e disse: “Sr. fazendeiro, agradeci à mamãe pelo biscoitão que comi e ela me mandou agradecer ao padeiro. Fui ao padeiro, e ele disse que era pra agradecer ao senhor. Muito obrigado pelo biscoitão que comi.”
O fazendeiro disse que não era pra ele agradecer, mas para agradecer ao trigo.
Felipe foi até a plantação e disse ao trigo: ” Sr. trigo, muito obrigado pelo delicioso biscoitão.”
“Não agradeça a mim – disse o trigo – agradeça à chuva, que me fez crescer.”
Felipe olhou pra cima e disse: “Muito obrigado chuva, pelo gostoso biscoitão que comi.”
“Não – disse a chuva – não agradeça a mim, agradeça ao sol, pois se não fosse ele, eu nada poderia fazer para que o trigo crescesse.”
Sr. sol, hoje comi um delicioso biscoitão e agradeci á minha mãe, mas ela me mandou ir ao padeiro agradecer. Fui até ele e ele me mandou agradecer ao fazendeiro, e o fazendeiro disse pra agradecer ao trigo. Fui até o trigo agradecer, mas ele disse pra eu agradecer à chuva, que logo depois me mandou vir te agradecer. Muito obrigado pelo delicioso biscoitão!”
Você já imaginou a nossa vida sem o sol? O sol não nos dá só calor, mas dá luz e com a luz dá as cores. Sem a luz o nosso mundo seria tudo sem nenhum colorido. Mas do que essa luz que vemos nós precisamos da Luz do mundo que é o Senhor Jesus que veio ao mundo para ser Luz que pode acabar com a escuridão do pecado.
A Bíblia nos diz que todos pecaram (Rm 3:23). Pecado é tudo aquilo que fazemos ou falamos que não agrada a Deus. Como mentir, brigar (deixe as crianças darem mais exemplos). Todos nascemos no pecado e não conseguimos nos livrar dele sozinhos. O pecado precisa ser castigado que é ficarmos para sempre na escuridão longe de Deus. Mas Deus nos ama tanto que nos deu Jesus que é a Luz do mundo, que nos tira da escuridão e nos dá a luz da vida (João 8:12). Jesus pegou os nossos pecados e sofreu em nosso lugar, como se Ele houvesse pecado, mas na verdade, Ele foi o único que nunca pecou. Ele fez isso por nos amar e derramou o seu sangue para que pudéssemos estar pertinho de Deus. Que maravilha ter Jesus no coração e tê-lo como a nossa Luz!
Então, o sol disse a Felipe: “Não me agradeça, Felipe. Agradeça a Deus, que me fez e que fez todas as coisas.
Filipe fechou os olhos e agradeceu a Deus pelo gostoso biscoitão que comeu no café da manhã e por tudo o que Deus criou!”
Nós devemos ser gratos por tudo (pergunte ás crianças os motivos que as levem a agradecer a Deus). Como é triste quando alguém se esquece de nos agradecer por algo que fazemos por elas. Assim também, Deus quer que sejamos agradecidos.
Se você já tem Jesus, já tem muito a agradecer. Se não tem, peça que Ele limpe o seu coração de todo o pecado e que venha ser Luz em sua vida. Você deve admitir que é pecador e crer que Jesus sofreu e morreu em seu lugar, pelos seus pecados, e pedir que Ele limpe o seu coração de todo pecado. Você quer fazer isso hoje? (faça o apelo e ore com as crianças que aceitaram a Jesus)
Enfatize que devemos ser gratos não somente pelo que Deus faz, mas também pelo que ele é: Amor, Paz, Criador, etc.
(história da APEC)

O PIQUENIQUE DAS TARTARUGAS
Uma família de tartarugas decidiu fazer um piquenique. Levaram um dia para preparar o lanche, um dia para chegar ao local escolhido e um dia para ajeitar o local.
Quando iam começar a comer, descobriram que não haviam trazido o sal.
Após longa discussão, a tartaruga mais nova foi escolhida para voltar em casa e pegar o sal, pois era a mais rápida de todas.
Ela lamentou, chorou, e esperneou, mas não teve jeito; finalmente concordou em ir, mas com uma condição: que ninguém comeria até que ela retornasse.
Todos concordaram com sua condição e a pequena tartaruga saiu.
Cinco dias se passaram e a pequena tartaruga não tinha retornado. Ninguém mais aguentava de fome e resolveram comer. Nesta hora a pequena tartaruga saiu de trás de uma árvore e gritou:
- Viu! Eu sabia que vocês não iam me esperar. Agora que eu não vou mesmo buscar o sal.
Regozijo-me porque em tudo
tenho confiançaem vós.
II Corintios7.16
Esta mensagem foi enviada por Iorides Fernandes

O Barco
Era uma vez um menino chamado Toninho.
Toninho morava perto de um rio, e por isso, gostava muito de barcos.
Ele sempre fazia barquinhos de papel, mas eles acabavam se desmanchando na água.
Um dia, enquanto caminhava pelas ruas da pequena cidade onde morava, ele viu na vitrine da loja um barco bem bonito, do jeitinho que ele queria.
Toninho entrou na loja e perguntou o preço do barco ao dono da loja.
Era um valor muito alto e Toninho não tinha o dinheiro para comprar ao barco.
Saiu muito triste da loja. Foi no caminho que teve uma idéia. Iria construir o seu próprio barco, mas não de papel, como das outras vezes. Agora ele iria construir um barco de madeira.
Por vários dias, Toninho, juntamente com o seu pai, construiu um lindo barco, o qual ao término foi pintado com cores alegres.
Os olhos de Toninho brilharam de alegria ao ver o belo barquinho colorido. Ficara lindo.
Com todo cuidado, Toninho colocou o barco no laguinho, que ficava perto do rio. E ali, brincava alegremente com o seu barquinho.
Um dia, quando Toninho brincava com o seu barco, veio uma forte tempestade, que levou o barco de Toninho para o rio. Toninho tentou alcançar o barco, mas foiem vão. Aságuas estavam muito agitadas e levaram o barco para longe.
Toninho ficou muito triste. O pai até queria fazer outro barco, mas Toninho queria aquele, porque ele tinha gostado muito dele. Outro barco não seria a mesma coisa.
Toninho ficou a caminhar tristemente pelas ruas da cidade, quando, de repente, ao olhar para uma vitrine de uma loja, viu um barquinho muito parecido com o seu.
Ele entrou na loja e pediu ao vendedor para mostrar o barquinho. Toninho pegou o barquinho nas mãos e examinando-o cuidadosamente, concluiu:
- Esse é o meu barquinho.
O vendedor sorriu para o menino e disse:
- Esse barco pode ser seu, garoto, mas tem que pagar o preço dele.
Toninho, entre lágrimas, tentou explicar o ocorrido para o vendedor. Mas, o vendedor disse que para Toninho ter o barco de volta, ele teria que pagar o valor do mesmo, porque aquele barco agora pertencia à loja.
Toninho saiu da loja muito triste, pensando o que fazer para conseguir o seu barco de volta. Decidiu que iria trabalhar muito, até ajuntar o dinheiro e comprar o barco.
E assim Toninho fez. Por vários dias, Toninho trabalhou incessantemente como entregador, limpador de calçadas, etc. Até que um dia, conseguiu ajuntar o dinheiro para comprar o seu barquinho.
Toninho foi apressadamente a loja, com medo de não encontrar o barquinho. Mas… para a sua alegria, o barco ainda estava lá.
Toninho entregou o dinheiro ao vendedor que lhe deu o barcoem troca.
Toninho tomou em seus braços o barquinho, dando um suspiro aliviado, e disse:
-Meu barquinho querido! Você é meu duas vezes. A primeira vez, porque eu te construí e agora, a segunda vez, porque eu te comprei.
Essa história é semelhante a nossa vida. E poderíamos dizer que somos como aquele barquinho. Um dia, Deus fez o homem com muito amor e carinho, mas a tempestade (pecado), separou o criador da criatura. Mas… Deus, o criador teve um plano e através de Jesus Cristo, seu filho, Ele pôde trazer o homem de volta para os braços do criador.
Muitas pessoas ainda andam longe do criador, mas Deus espera ansiosamente para tomá-lo em seus braços amorosos, porque o preço já foi pago através do sangue de Jesus, derramado na cruz por causa dos nossos pecados.

AULAS CRIATIVAS PARA ESCOLA DOMINICAL

AULAS CRIATIVAS PARA ESCOLA DOMINICAL

MATEUS 28.19-20
ENSINAR NÃO FOI UM PEDIDO FOI UMA ORDEM!
JESUS NÃO DISSE: SE VOCE QUISER, SE LEVAR JEITO, SE TIVER TEMPO, SE GOSTAR…  A ultima ordem de Jesus deveria ser nossa primeira ocupação.
O ‘ide’ é para todos. E toda criatura, inclui as crianças. (marcos 16.15)
Nem todos serão professores de escolinha, mas todos tem que evangelizar e mais cedo ou mais tarde haverá crianças no seu caminho esperando para ouvir sobre o amor de Deus…


MARCOS 10.13-14
‘DEIXAI VIR A MIM OS PEQUENINOS E NÃO OS IMPESSAIS’ SABE O QUE ACHO MAIS INTERESSANTE? É QUE QUEM OS IMPEDIAM ERAM OS PRÓPRIOS DÍSCIPULOS…
Hoje não tem sido diferente em muitas igrejas. O mundo lá fora e até muitas seitas já descobriram nas crianças um campo fértil! Mas nós as temos afastado de Jesus.


QUANDO? Quando não lhes damos valor. Quando nossa escolinha é feia, suja, desorganizada, com lixo que chamamos de brinquedos,quando não há professores preparados,quando não há pregação ou ensino verdadeiro. só o velho: você finge que ensina e eu finjo que aprendo…
Por exemplo: se sou professora de piano, dou aula por um ano, mas quando meu aluno vai se apresentar não toca nada, é porque não aprendeu… Logo não houve nenhum ensino! Só terei realmente ensinado se houver aprendizado, caso contrario não ensinei, só tentei… (ou nem isso)

MUITOS SÃO LIGEIROS EM APONTAR PROBLEMAS ( MAS NÃO AS CAUSAS…)
*as crianças não prestam atenção
*faltam muito
*não param de falar
*não obedecem
*não me entendem
*e por ai vai…

MAS PENSE UM POUCO NA VISÃO DO ALUNO (e seja sincero)
Você assistiria uma aula sua? Como tem sido suas aulas?Aquela maravilhosa mesmice de todo dia… sempre na mesma ordem, no mesmo tom de voz;cheia de palavras tão difíceis que até facilita a gente de não entender, monótona, repetitiva…
…Não sei onde ouvi esta história, mas é bem interessante:
Uma vez um pregador notou que todo domingo ele começava a pregar e dali 15 min.o povo começava a dormir, isso se repetia todo domingo, ele então resolveu gravar o culto, porque uma pessoa dormir, ainda vai, mas tanta gente? Só podia ter algo errado!
Bom, levou o vídeo pra casa começou a assistir, dali 15 min….ele estava roncando…
SOLUÇÃO:

Mesmice se vence com criatividade!!! PORQUE VOCÊ NÃO IRÁ CONSEGUIR RESULTADOS DIFERENTES FAZENDO A MESMA COISA! ENTÃO MUDE!!  Ache um jeito novo de falar do mesmo assunto. ache uma maneira criativa de contar a mesma historia…
IDÉIAS

Nunca gostei quando me dizem que tenho que fazer algo, mas não me dizem ‘como’. O que adianta uma pessoa ir ao médico,ter o problema diagnosticado mas sair sem a receita? Então vou dividir com vocês o que tem dado resultados. coisas que podem ser usadas em qualquer aula e sobre qualquer assunto e são simples de se fazer…

Quando vamos falar com crianças a primeira coisa de que precisamos é ganhar sua atenção inicial, senão a aula estará perdida.
Diferente dos adultos elas são comunicativas, todas se conhecem, e quando não, fazem questão de se conhecer e saber das novidades, por isso é preciso fazer algo que desperte sua atenção para nós…


*USANDO OBJETOS:
 –numa sala lotada ao iniciar a aula abri uma sombrinha e coloquei na cabeça. Pronto! Todos estavam olhando pra mim… mas é claro que tinha haver com o assunto. Perguntei pra que servia:’pra se proteger da chuva tia!’ Ai, como sou cheia de histórias, contei uma minha: ”quando eu era pequena, voltava da escola e o céu escureceu como noite! Eu via meu ponto de ônibus e pensei em correr até lá, mas é claro que como sempre não deu tempo e cheguei lá ensopada… quando abri a bolsa pra pagar, qual minha surpresa? Eu tinha um guarda chuva! Fiquei com tanto medo de me molhar que esqueci que estava comigo… às vezes fazemos assim com Deus, na hora do medo esquecemos que Ele está conosco… sempre pronto para nos proteger” (Isaias 43.1).
Cada um escreveu seu medo num papel, oramos e rasgaram na lixeira. (leia antes ,tem coisa que não é medo, mas caso de polícia)

Você pode usar qualquer objeto, desde que tenha haver com a aula. outro exemplo:use escova de dente,toalha de banho,pente…pergunte quem usa isso,e se é só no domingo…fale sobre que se santificar também é todo dia
Enfim, use objetos…

*PERGUNTAS CURIOSAS:
‘ quem aqui já foi pescar?’, ’quem sabe o que tenho aqui nesta caixa?’, ’quem sabe pra quê isto serve?’, ’quem já usou isso?’ Eles são curiosos e gostam de dar respostas… isso desperta o interesse.(como já disse antes, tem que ser de acordo com o que for ensinar senão de nada serve)

*MUDANDO A SALA:
- isso cria a expectativa de “o que será que vai acontecer aqui?” Mude a frente com o fundo, faça um círculo de cadeiras, deixe só um tapete, mas lembre-se! Eles esperam algo novo, então não os decepcione!!!
*MUDANDO A ORDEM DOS ACONTECIMENTOS:
 de vez em quando mude um pouco, dê coisas fora da programação, mude a hora da oferta com a da atividade,a hora da historia com o louvor…

*USANDO ILUSTRAÇÕES:
toda criança gosta de uma boa historia. ela é um dos meios mais eficientes de ensino, o método que Jesus, o maior mestre,usava ao ensinar. Conte histórias que ajudem as crianças a entender melhor o assunto, ou historias sobre quando você era pequeno…

*COMPLETE A FRASE:
coloque parte da palavra na lousa, pode ser o nome do personagem, da história, do assunto; e ao começar a aula pergunte quem sabe completar, vá dando dicas: ZA… ele era baixinho,queria ver Jesus, subiu em uma arvore, etc. (Zaqueu)

*AVALIANDO:
escreva algo na lousa para responderem na entrada: ’Jesus pra mim é… ’e deixe cada um escrever o que pensa, assim você vai saber o que eles tem aprendido.

*MÚSICAS:
escolha ‘uma’ sobre o que você vai ensinar, deixe-os ouvir (ou assistir no dvd) depois peça para escreverem ou desenharem o que entenderam. você também pode entregar a letra por escrito ou escrever na lousa.

*VÍDEO:
mas não use o vídeo como pretexto  para não dar aula e não se preparar. Não vá colocar de uma só vez toda coleção do midinho…escolha sempre ‘um’só tema para não confundir a criança, e assista “antes” delas , prepare uma atividade, sempre de acordo, se preciso dê pausas para explicações…lembre-se que não fomos chamados para distrai-las, mas para ‘ensiná-las!” (também existem dvd‘s do autor Max Lucado com desenhos infantis, como: você é especial e se eu tivesse um nariz verde, entre outros, são muito bons.)

*VISUAIS:
mesmo com os maiores isso chama a atenção, desenhe partes da historia e vá colando ou mostrando enquanto conta. Faça-as em formatos diferentes, redondos, triângulos…

*COLOCANDO EM PRATICA:
dê algo para ‘fazerem’ dê acordo com o que aprenderam. Por exemplo: quando ensinei sobre evangelismo, fiz um cartaz sobre o assunto, colei fig. Mostrando formas de evangelizar, e dei a eles folhetos de evangelismo infantil (existe há muito tempo e eu nem sabia, você pode criar até um carimbo p/ eles mesmos carimbarem) ou cartões mig-meg convite. Isso os deixou muito motivados!
Evangelizaram mesmo! trouxeram muitas pessoas, e me contaram tudo que aconteceu… (mas lembre-se de insistir que não conversem nunca com estranhos sem a presença de seus pais ou responsáveis! o mundo é perigoso, é preciso vigiar!)
Diga para convidarem seus amiguinhos da vizinhança, da escola, seus primos, pais,  avós, tios…e estranhos só quando acompanhados por responsáveis.
O método mais eficaz de evangelizar crianças é deixando a própria criança fazer isso, ninguém traz mais crianças pra igreja que a própria criança… (eu confirmei isso)
Bom, continuando, quando falar de intercessão, ensine-as deixando fazerem pedidos por algo ou alguém e orem com os pedidos.
…Procure dar alguma coisa para elas fazerem de acordo com aquilo que você ensinou…

*MURAL :
 faça murais junto com eles, escolha um tema, por exemplo: tipos de oração. Em cima a frase:
-‘quero te ver na igreja’ ensine sobre intercessão e eles desenham alguém que gostariam que se convertesse.
-‘Deus me perdoe por… ’ Ensine sobre arrependimento e eles fazem um envelope, decoram com recortes, lantejoula, etc. depois escrevem dentro pelo que pedem perdão e fecham o envelope, só à tia vai ler. Cada um cola o seu no mural…
-‘agradeço a Deus por… ’Ensine sobre agradecimento, eles fazem desenhos, colam no mural e depois todos o decoram, os meninos fazem joaninhas, as meninas flores e borboletas e juntos todos vão trabalhando e dando suas idéias.(existem mais tipos de oração e uma infinidade de temas…)
PEÇA TEATRAL
UM LUGAR ESPECIAL NO CORAÇÃO DA MAMÃE
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
(Repete nove vezes, por isso é preciso dar uma expressão diferente, alívio, alegria, orgulho, consciência, meiguice…)
Crianças fala 2 (entram com frutas, saquinhos de super, avental, panela…) – Todas falam juntas:
…porque ela se preocupa com a minha alimentação!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 3 (entram com roupas de dormir, caixa de remédios e primeiros socorros, termômetro, colher, travesseiro, bolsa de água quente…) – Todas falam juntas:
… porque ela fica muito preocupada e acordada a noite toda quando eu fico doente! Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 4 (crianças entram com marcas de beijos no rosto, roupa amassada…) – Todas falam juntas:
… porque muitas vezes ela mostra o seu carinho me abraçando e me beijando! Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 5 (entram vestidas de uniforme escolar e com cadernos, mochila, lancheira …) – Todas as crianças falam juntas:
… porque ela está sempre acompanhando minhas atividades na escola!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 6 (entram com a mão no bumbum, com cara de dor e sentam na cadeiras…) – Todas as crianças falam juntas:
… porque sempre que faço alguma coisa errada ela me corrige e, às vezes, fico até de castigo!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 7 (entram com roupão, toalha, shampoo, sabonete, cotonete…) – Todas as crianças falam juntas:
… porque ela está sempre cuidando para que eu esteja sempre limpinho!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 8 (entram com boneca, bola, outros brinquedos…) – Todas as crianças falam juntas:
…porque ela separa um tempo para brincarmos juntos!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 9 (entram com as mãos juntas, em sentido de oração…) – Todas as crianças falam juntas:
… porque ela nunca se esquece de mim em suas orações!
Junior fala1 (fica sentado no palco com a almofada de coração, com roupa bem infantil…) – Sempre antes de entrar as crianças, repetir a fala:
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da mamãe…
Crianças fala 10 (entram com Bíblias abertas nas mãos…) – Todas as crianças falam juntas:
…porque ela se preocupa em dar o melhor para o meu crescimento: os ensinos da Palavra de Deus!
Todas as crianças as crianças repetem juntas (bem forte):
Eu sei que tenho um lugar especial no coração da minha mamãe

sábado, 12 de abril de 2014


Como Desenvolver O Ministério Infantil
Escola Bíblica Infantil


A função da escola bíblica é instrucional; apresentação dos personagens e das histórias bíblicas.
Cinco Princípios Bíblicos para a Escola Bíblica
1. Ser bem organizada e ter um objetivo
2. Deve ter um plano definido de estudo
3. Deve ensinar o básico do cristianismo
4. Os professores devem ser qualificados
5. Os professores devem se preparar e orar

Atendimento
As escolas bíblicas atendem as crianças de

2 a 13 anos, divididas por idades e salas.


Maternal 01 a 03 anos
Pré-Primários
04 a 06 anos
Primários
07 a 09 anos
Juniores
09 a 10 anos

Adolesentes -11 a 13


Organização
Cada culto tem uma equipe diferente.
Em cada culto há um líder responsável por todo o funcionamento, distribuição do material, cuidado dos voluntários.
Voluntários; Ministram em sala de aula e ajudam na organização do material, distribuição, portaria, etc...


Voluntários
Não devemos esquecer que o primeiro e mais importante recurso didático é o próprio professor.

1. A Voz: a voz do professor deve ser agradável, bem audível, a mais perfeita dicção possível. Linguagem simples, correta e compreensível. A voz humana é um dos mais ricos e versáteis, senão o mais rico e versátil dos instrumentos, sendo capaz das mais perfeitas imitações de outras vozes humanas, de animais e aves, bem como dos mais variados sons.
2. Os gestos: gestos auxiliam e enriquecem uma narrativa. Devem ser simples harmoniosas, variados e oportunos.
3. Os conhecimentos: é indispensável conhecer a criança a quem se ensina, a matéria a ser ensinada, os objetivos propostos e a maneira como se vai ensinar. Com tais conhecimento é possível ensinar e obter resultados positivos.


Dois pontos essenciais:
1. Atendimento Cordial não falar mal do líder / saber escutar as pessoas.
2. Auto-estima se constrói falar sempre bem / trabalhar caráter.


Ambiente Físico
Local onde as crianças ficam deve ser sempre alegre, bem colorido e que as crianças se sintam bem.






A Preparação da Lição


A arte de Contar História
INTRODUÇÃO
Ao aceitar a incumbência de apresentar uma história bíblica para uma classe de crianças, você assume um compromisso com Deus. Você será o porta-voz na exposição de Sua Palavra para as crianças salvas e não-salvas. Portanto, será necessária uma inteira dependência do Espírito Santo para que haja êxito no trabalho. Quando à sua parte, como professor, os passos que deverá seguir são:
1. Orar
2. Estudar os textos bíblicos (3 vezes, pelo menos)
3. Estudar o manual (Livro ou revista)
4. Preparar um esboço da lição
5. Treinar e colocar em ordem o material visual


ESBOÇO
O esboço de uma história deve ter 4 divisões:
1. Começo (com introdução do "problema")
2. Andamento
3. Clímax (dando solução ao "problema")
4. Conclusão:
a. Desafio para os salvos
b. Apelo para as não-salvas


1- COMEÇO
Deve ser planejado de tal forma que desperte a atenção da classe e prenda seu interesse. Por isto, deve ser:
a. breve
b. promissor
c. envolvente


Alguns métodos que podem ser usados:
1. uma frase:"Ele desapareceu". (Jesus)
2. um objeto visível ou escondido dentro de uma caixa
3. perguntas
4. historinhas

Cada história deve apresentar um "problema" = PECADO a ser resolvido, o qual deve ser apresentado no COMEÇO. Por esta razão, o professor deve deixar para planejar o COMEÇO de uma história depois de estudá-la bem.
Deve ter sempre em mente que o COMEÇO e o CLÍMAX "solução do problema" = AMOR DE DEUS: JESUS estão interligados, visto que o CLÍMAX é onde o problema é solucionado.

2- ANDAMENTO:
É o desenrolar dos fatos ou a progressão dos acontecimentos. No andamento, o professor deve correlacionar as ações e atitudes dos personagens da história com a vida da criança, apresentando:


A. Para as não-salvas, os 06 pontos do caminho da salvação, antes de atingir o Clímax. Os pontos do caminhos da salvação são:

I. O amor de Deus João 3.16
II. Pecador Romanos 3.23
III. Morte e Ressurreição de Jesus Hebreus 9.22/ 1 Coríntios 15.3,4
IV. Apropriação do presente da salvação João 1.12/ Hebreus 13.5b
V. O salvador ressurreto 1João 3.24
VI. Crescimento espiritual 1 João 1.9

B. Para os salvos, ensino para crescimento e serviço cristão, dando, pelo menos 03 aplicações práticas. Não é necessário incluir no desenvolvimento todos detalhes mencionados na lição (livro ou revista) você tem que ter total dependência de Deus.


Deve-se prosseguir com o "problema" nesta parte da lição, até que se encontre a "solução" no clímax.


3- CLÍMAX
É o ponto da história onde o "problema" é resolvido. O clímax deve ser dado bem no fim da história. Pode ser enfatizado com:


a. A expressão do rosto
b. A entonação da voz (solene, misteriosa, etc)
c. Uma dramatização
d. Gestos
e. Pausa


4- CONCLUSÃO
É a parte final da lição. Deve ser feita rapidamente, lançando-se o apelo para os não-salvos. Contém deixar bem claro aqui que a salvação é um presente que precisa ser recebido para que se possa ter a certeza da Vida Eterna (Romanos 6.23 e João 1.12).

No esboço de cada lição bíblica, o professor deve adotar números, letras e cores convencionais, como:
a. Para os 6 pontos do caminho da salvação, deve usar números de cor amarela entre parênteses. (O amor de Deus)
b. Para o ensino a criança salva, pode usar as letras ECS = Ensino Criança Salva em cor verde, entre parênteses. Ex: (ECS 1 João 1.9)









Culto Infantil

A função do culto infantil é inspiracional: aplicação dos princípios e verdades bíblicos.
Objetivos do Culto
1. Levar as crianças a conhecer a Palavra de Deus
2. Convidá-las a corresponderem ao mover do Espírito Santo para aceitarem a Jesus.
3. Apresentar o evangelho às crianças de modo que elas possam entendê-lo.
4. Despertar o desejo por missões.
5. Ensina-las como orar e agir em um louvor congregacional.
6. Mostrar a importância de ajudar a obra de Deus e ser fiel nos dízimos e ofertas.
7. Ensinar como louvar a Deus (Mt 21:16)


Cinco Pilares do Culto Infantil
As escolas bíblicas atendem as crianças de 0 a 12 anos, divididas por idades e salas.
1. Louvor e Adoração (Mt 21.15-16)
2. Participação ativa.
3. Programação que visa as necessidades das crianças.
4. Base Bíblica
5. Oração

1. Como Desenvolver os Pilares

1. Louvor - O que a música pode fazer:
a) Ensino (a música deve relacionar-se com o ensino)
b) Crianças participam
c) Estabelece o humor (diverte)
d) Celebra
- Música com Gestos animação e atenção das crianças
- Música com CD
- Música cantada "Eu preciso de Você"
- Música com Visual

2. Oferta - As crianças precisam aprender desde cedo o valor das ofertas e dízimos diante de Deus.
Este é um momento de aprendizado e obediência.

3. Programação que visa às necessidades das crianças / Base Bíblica
- Dramatização Método teatral de contar história.
a) Muda ocorre quando um narra a história, enquanto os atores encenam o que ele está contando.
b) Falada é a que ocorre quando os atores representam diálogos (nesta as cenas podem ser interrompidas pelo narrador, para trazer explicações e incentivo as crianças).

OBS: Vocês podem utilizar as próprias crianças para irem representar o que se está narrando.

- Monólogo de Personagem Usar alguém como se fosse da época. Narra a história na primeira pessoa. Pode ser um personagem humano, um objeto, um animal. Por exemplo: O peixe que comeu Jonas.
- Objetos São utilizados objetos (roupas, brinquedos, acessórios, etc) como dentro de uma mochila e a medida que a história for acontecendo se retiram os objetos e estes fazem parte da história (as crianças guardam muitas das coisas quando estas se relacionam com um objeto)

- Bonecos e Fantoches Neste recurso o interessante é utilizar uma pessoa contracenando com os bonecos e interagindo com as crianças. Tome cuidado, pois a maneira como se manuseia o boneco pode fazer com que a história se perca (movimentação da boca).

- Programa de TV Esse método se vale dos modelos de programas de TV e seus vários quadros e características. Seus quadros podem incluir: Entrevistas, apresentações musicais, coreografias, comerciais, fazendo com que as crianças aprendam a história através do desenrolar da história.

- Mímicas Conta-se um pedacinho da história em forma de mímica e depois comenta e pede explicações.

- Material Concreto Para crianças, só funciona o concreto se você contar a história dos 12 apóstolos e trouxer 12 pedrinhas. Cada uma delas se transformará verdadeiramente em apóstolo na mente infantil durante a narrativa. As crianças fixarão o conteúdo de forma mais aprofundada.

- Plano da Salvação Macacão colorido com as cores da salvação. Ou Livro sem palavras.
I. O céu (cor dourada)
II. O pecado (cor preta ou marrom/ escura, suja)
III. O sangue de Jesus (cor vermelha)
IV. A nova vida (cor branca)
V. Crescimento em Cristo (cor verde)


- Desenho Pode contar as histórias através de desenhos feitos em tempo real, através de perguntas, deixando as crianças montarem a história.

- Outros Flanelógrafos, visuais, retro projetor, filmes, desenhos animados, histórias cantadas, gincanas de perguntas bíblicas, etc.

I. Você, líder, precisa ser criativo, utilizar a Bíblia de uma forma atraente para as crianças.
II. Através de sua criatividade você pode criar vários métodos, basta colocar toda a sua mente para funcionar

- Sugestões Finais Como Começar um Programa Infantil:
a) Alvo em mente: excelência
b) Avalie a necessidade
c) Estabeleça uma visão
d) Faça orçamento e providencie recursos
e) Encontre líderes qualificados
f) Faça publicidade
g) Mostre a importância do programa e suas necessidades
h) Estabeleça prioridades
i) Aceite sugestões
j) Resuma a filosofia que defina o Ministério Infantil em uma frase: Ex: "Evangelizando para ensinar e Ensinado a Evangelizar"

Como falar sobre pecado com as crianças?



Uma coisa é certa: É difícil falar sobre pecado e as conseqüências do pecado ás crianças, principalmente aos menores, de 2 a 7 anos. Então resolvi juntar algumas idéias, dicas e materiais para ajudar a todos os evangelistas de crianças á explicarem este fato, que é necessário e indispensável que toda criança saiba.

Assim como nós, a criança também é uma pecadora:

a) Nascemos no pecado:(Salmos 51:5 e Romanos 5:12)

Ninguém ensina a criança a pecar, o pecado já nasce com ela. Quando nós éramos crianças, nunca fomos é escola que tivemos uma aula de pecado, certo?

Imagina entrarmos na sala e a professora disser: "Bom dia crianças, hoje vamos ter aula de pecado! Hoje vamos aprender a beliscar o colega, amanhã vamos aprender a responder a mamãe e semana que vem vamos aprender na prática a brigar com o irmão".

Ninguém nos ensina isso, isso já nasce conosco, por isso que nossa natureza é pecaminosa.

b) Todos somos pecadores: (Romanos 3:23)

Quando a bíblia nos relata que todos somos pecadores, não especifica se é homem, mulher, idoso ou crianças. Todos nós somos pecadores e carecemos, precisamos da Glória de Deus em nossa vida. A criança precisa entender que quando nós pecamos nos afastamos de Deus. Quando contamos uma mentirinha para a mamãe, pegamos um dinheirinho escondido de alguém ou desobedecemos nossos pais estamos pecando, e o pecado desagrada a Deus, nos afastando dEle.

c) A criança está em perigo: (Mateus 18:14)

O fato de Jesus dizer que a criança está em perigo já nos dá um alerta que precisamos estar atentos aos nossos pequeninos.

Mostre á crianças que ela está em perigo quando ela fica na frente da televisão vendo coisas que não agrada ao senhor,.

Queridos, note que o diabo tem lançado dardos inflamados em nossas crianças. Ele muda apenas as estratégias, porém o alvo é sempre o mesmo: Crianças!

Em uma época foram crianças jogadas pela janela, depois crianças sendo agredida por babás, violência em escolas, e agora pedofilia.

Nossas crianças estão em perigo, e elas precisam ouvir as boas novas da salvação. E cabe á nós, ministros de crianças essa tão linda missão.




Mas como explicar para criança que ela é pecadora?


Primeiramente temos que explicar o que é pecado.

Pecado: É tudo aquilo que pensamos,falamos ou fazemos que não agrada ao Senhor.

(faça os gestos: )

Pensamos : coloque os dois dedos indicadores na cabeça

Falamos : coloque as duas mãos em forma de concha na boca

(como se estivesse cochichando)

Fazemos: movimente as duas mãos

Que não agrada ao Senhor: faça o sinal de não com o indicador e depois aponte para o céu.

O que será que fazemos que não agrada a Deus? (deixe as crianças falarem)

ü mentir, bater no amigo, falar palavrão, não respeitar a professora, o pastor da igreja.

ü brigar com a irmã, desobedecer aos mais velhos

ü Ver coisa feia na tv,pegar dinheirinho escondido na carteira do papai...

(fale pecados que realmente podem estar na vida da criança)

Todos nós podemos pecar, mas como toda coisa errada, ele tem conseqüências:

a) O pecado nos afasta de Deus

b) Deixa nosso coração sujo como lamaçal, e assim como nós não gostamos de morar num lugar sujo. Jesus também não quer morar num coração sujo de pecado.

(mostre a criança um coração sujo ou feito de cartolina preta)

detalhe : nunca diga que o pecado é "preto",mas sim escuro ou sujo,porque a criança pode associar com a cor da pele.

O melhor método para se falar do pecado com certeza é a história, e para isso a bíblia está recheada de histórias que falam sobre pecado. Dentre muitas, podemos citar:

q A queda do homem (Gênesis 3:1-24)

q O pecado de Acã (Josué 7:1 26)

q Naamã ( II Reis 5:1 a 19)

q Zaqueu, o publicando (Lucas 19. 1- 10)




12 Métodos Criativos para Ensinar sobre o pecado ás Crianças:

Método I:
Material:Uma garrafa pet transparente cortada ao meio,cloro,conta-gota e tintura de iodo(comprado em farmácia)

Como usar? Coloque água limpa pela metade da garrafa já cortada,diga que assim que deve ser nosso coração(bem limpinho),mas o pecado vai entrando(com o conta gota vá pingando a tinta de iodo) e dando exemplos de pecado. Assim a água fica escura e você diz que assim que fica nosso coração quando se enche de pecado.

Você pega o cloro e fala que quando aceitamos á Jesus, ele nos purifica de todo pecado e coloca o cloro dentro da água suja.


Método II:
Material: um coração feito de feltro ou carpete vermelho, quadradinhos 5x5 de cartolina preta com um pedacinho de lixa colada atrás (lixa de parede,comprada em loja material de construção)

Como usar? Vá citando o pecado, em cada pecado falado coloque um papel no coração,pois a lixa fará o papel grudar no feltro(ou carpete),se quiser mande as crianças citar o pecado e elas mesma colocarem o papel.

Em alguns instantes, o coração ficará todo coberto com o papel escuro, então você diz que assim é o nosso coração, vai enchendo devagarzinho de sujeira do pecado, e quando percebemos estamos com o coração coberto de sujeira.


Método III:
Material: Dois corações feito de papel cartão ou Eva, setas feita de palito de churrasco e cartolina preta e curativos

Como usar? Era uma vez um coraçãozinho muito mal humorado, ele vivia reclamando da vida, nada estava bom para ele.

Ele tinha uma carinha de triste, de bravo e sozinho ao mesmo tempo. Cada dia que passava, ele deixava as setas do pecado atingi-lo,porque ele achava que tudo era certo.

Um dia ele pegava um dinheirinho escondido na carteira do papai, outro dia matava aula na escola, batia nos amigos, (cite diferentes pecados), e o coraçãozinho foi ficando todo ferido, machucado pela seta do pecado.

Até que um dia, ele ouviu dizer que uma pessoa que entra ama todas as pessoas e que cura todas as feridas do coração. Rapidamente o coraçãozinho vai procurar saber desta pessoa que cura e liberta as pessoas. Então ele encontrou Jesus e o aceitou como único Salvador na sua vida, então ele leu na Bíblia que "Deus é fiel e Justos para perdoar os nossos pecados e deixa nosso coração limpinho da mancha do pecado", então o coraçãozinho confessou a Jesus o seu pecado, e Jesus curou toda a sua ferida.


Figuras:
Dois corações tamanho grande de papel cartão, um com cara de raiva e um com cara de feliz com vários curativos. E muitas setas feitas com palito de churrasco. Enquanto vai contando a historia e falando do pecado, vai colocando as setas no coração com cara de raiva. No momento que fala que Jesus cura a ferida do coração, tira-se a seta e mostra o coração com os curativos.

E quando fala q Jesus cuida do coração e sara as ferida, tira a seta e mostra o coração com os curativos.


Método IV:
Material: duas carinhas: uma feliz e uma com cara de raiva

Como usar? Conte a história de um menino chamado

Rick (por exemplo) que vivia triste, sempre pecando (falar de muitos pecados que ele cometia), resmungando e mal-humorado (mostre a carinha de raiva), conte que ele era pecador, mas que um dia ele encontra a bíblia e descobriu o que é o amor, e que Jesus nos purifica de todo pecado (mostre a carinha feliz) e deixa nossa vida muito diferente do que a que vivia antes, porque fomos ungidos com óleo de alegria (Hebreus 1:9)


Método V:
Material: Um vidro de maionese vazio com tampa (transparente), óleo e água.

Como usar? Coloque um pouco de óleo (de cozinha) no pote de maionese, preencha com água, mas coloque de modo que você possa sacudir.

Explique a Criança que Deus é santo e puro e que não gosta do pecado, a água limpa representa Deus e o óleo o pecado. Sacuda bem o vidro e mande as crianças verificarem se as duas águas vão se misturarem. Diga á Ela que assim é Deus, Ele não gosta do pecador, e o pecado nos afasta dele.


Método VI:
Material: Margarida branca (com o cabinho), anilina preta ou marrom, garrafa pet cortada ao meio, água

Como usar? Coloque na garrafa já cortada água pela metade e coloque bastante anilina (a água suja representará o pecado). Mostre a Criança a margarida branca,e diga que assim deveria ser nosso coração "alvo como a neve",mas quando a gente deixa o pecado entrar na nossa vida,ele via enchendo nosso coração de sujeira,então coloque a flor com o cabinho na água suja e veja que a flor pegará a cor da anilina.


Método VII:
Material: Jornal, detergente vermelho, bacia com água

Como usar? Chame as crianças para brincarem a vontade de amassar o jornal. Deixe-as amassar bem até sujarem bem as mãos. Mostre á elas que o pecado é assim, vai chegando sem perceber e sujando nosso coração, mas que na bíblia diz que o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado. Então leve as criança á beira da bacia e lave as mãos dela com o detergente vermelho, que simboliza o sangue de Jesus.


Método VIII:
Material: Suco bem concentrado, porém feito com sal no lugar do açúcar.

Como usar? Faça com que as crianças tenham bastante vontade de tomarem o suco, falando que o suco está geladinho, fresquinho e uma delicia. Pergunte quem quer o suco, e coloque no copo um para cada um. Mas fale que elas devem beber todas juntas, quando você contar até três.

Deixe as crianças tomarem o suco juntas, e logo irão perceber o gosto ruim do suco. Então você diz que o pecado parece coisa boa, assim como o suco parecia ser bom,mas quando pecamos,assim como tomamos o suco,percebemos o quanto ele é ruim para nossas vidas. Depois dê as crianças bala para tirarem o gosto ruim da boca.


Método VX:
Material: Uma caixa de bombons vazia embrulhada com papel de presente e dentro da caixa coloque pedras, ou pedras enrolada no papel do bombom.

Como usar? Diga ás crianças que você trouxe um presente para elas, diga que você as ama muito, por isso trouxe aquele presente, mas diga que elas têm que dividir para todos que estão na sala. Abra a caixa e elas ficarão felizes ao verem que é uma caixa de bombom. Faça com que elas fiquem de água na boca e com muita vontade de comer o bombom, dê um para cada. Assim que elas abrirem, verão logo que não tem bombons. Então diga á ela que o pecado também engana a gente, parece que é bom, mas é ruim, pois nos afasta de Deus. No final, dê realmente á elas os bombons de verdade.


Método X:
Material: Cartolina preta e creme dental de cor branca

Como usar? Com a cartolina, faça um coração grande, ou um para cada criança em tamanho menor.

Mostre a ela que o coração escuro representa o pecado, mas que na bíblia diz que se com a boca confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para perdoá-los. Então mande as crianças usarem o creme dental para pintar o coração escuro, logo ele ficará branquinho.


Método XI:
Material: Duas caixas de sapato (uma encapada de dourado e escrito a palavra DEUS, e outra encapada de preto escrito a palavra HOMEM) e uma régua de 50 cm na cor vermelha (pode ser também um cruz) escrito JESUS

Como usar? As duas caixas representam Deus e o homem. Coloca a caixa uma do lado da outra e diz que deus e o homem eram bem unidos, porém o homem pecou se afastou de Deus (separe as duas caixas), explique que surgiu um abismo entre os dois e que para eles se unirem novamente, Deus enviou seu filho Jesus como um intermediário, como uma ponte que liga o homem á Deus novamente (então você coloca a régua como se fosse uma ponte ligando o homem é Deus)


Método XII:
Material: Uma Almofada em forma de Cruz (pode ser feita de TNT)

Como usar? Explique para a Criança que antes do pecado, o homem vivia lado a lado com o Senhor, que eles eram bons amigos, e que Deus visitava Adão todos os dias no Jardim do Edém. Eles tinham amizade e comunhão. (Convide uma pessoa para te ajudar e representar Deus, onde ele quem vai segurar a almofada em forma de cruz (você pode colocar um crachá escrito DEUS), e abrace a pessoa representando a amizade de Deus com o homem. Então você diz que o homem pecou (neste momento você dá uma passo para sua esquerda, representando que o homem se afastou de Deus). Você vai citando os tipos de pecados e vai se distanciando de Deus, e mostre com muita ênfase para as crianças que Deus nunca saiu do lugar dele, foi o homem quem se distanciou de Deus.

O amor de Deus é tão, tão grande por nós que Ele enviou seu Único filho Jesus para morrer numa cruz por nós (Então "Deus" estica o braço e oferece a cruz para o "homem" segurar.

Cada um segura uma ponta da cruz e "Deus" puxa bem devagar a cruz e abraça novamente o homem. Então você diz que Jesus é o único caminho que leva á Deus. Não esqueça de falar para as crianças que Jesus levou sobre si todos os nossos pecados.


Escrito por Gilberto Celeti na década de 80 - Diretor da Apec do Brasil 
 

Á - É - I - Ó – U  DO TRABALHO COM CRIANÇAS

 
Segundo o Dicionário Aurélio, Á - É - I - Ó - U, é a substantivação de a, e, i, o, u com que se designam as primeiras letras ou rudimentos de uma matéria.
Você se recorda de como veio a aprender a ler e escrever? Lembra quantas vezes escreveu as vogais em seu primeiro caderno?
Para deixar de ser analfabeto é necessário dominar, em primeiro lugar, os rudimentos da gramática, e, infelizmente, quantos ainda vivem em absoluta ignorância!
No trabalho com as crianças existe, também, muita ignorância por não se conhecer as noções básicas para se obter resultados satisfatórios e eternos.
Há muitos que são ANALFABETOS em trabalhos com crianças, fazendo tudo de maneira apenas superficial e sem qualidade.
Deseja conhecer e dominar esta matéria? Então escreva em sua mente e coração, até gravar bem, o Á-É-I-Ó-U do trabalho com crianças.
 
A - AMOR
 
“Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes outros? Ele respondeu: sim, Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: APASCENTA OS MEUS CORDEIROS” (Jo 21.15)
Pedro que negara ao Senhor três vezes é questionado três vezes pelo Senhor: “Amas-me” e só ao responder: “Tu sabes que te amo” é que recebe a missão de apascentar, pastorear, tanto cordeiros como ovelhas.
Interessante neste texto é Jesus utilizar a palavra “cordeiro” que identifica os pequeninos de um rebanho de ovelhas, o que nos faz pensar que, também, as crianças precisam de cuidado pastoral. Sim, as crianças precisam ser apascentadas e não pajeadas.
Muitos trabalhos com crianças se resumem apenas em tomar conta dos pequenos para que não atrapalhem os grandes e os que estão à frente das crianças tios ou tias que pouco ou quase nada fazem par a formação espiritual das mesmas.
O que leva alguém a ser consciente de sua responsabilidade pastoral com as crianças é estar tomado de amor ao Senhor Jesus.
Só quem ama ao Senhor poderá amar também as crianças e dedicar-se a elas, pois o amor de Cristo nos constrange, julgado nós isto: Um morreu por todos, para que os que vivem não vivam para si mesmos, mas para aquEle que por eles morreu e ressuscitou” (II Co 5.14-15).
É preciso verificar que no Velho Testamento encontramos o mesmo princípio. Em Deuteronômio 6.4-9, antes da ordem para que os pais inculquem a Palavra de Deus em seus filhos, há o mandamento: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força.
Não haverá ministério eficaz com crianças sem um coração pleno de amor ao Senhor.
 
E - ESPERANÇA
“Que virá a ser, pois, este menino? (Lucas 1.66)
Quando estas palavras foram pronunciadas, por ocasião do nascimento de João Batista, o seu pai, Zacarias, tinha uma profunda convicção e esperança, chegando a afirmar: “Tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo” (Lucas 1.76).
No Velho Testamento, no Salmo 78 versos 1 a 8, fica bem claro que ao falarmos às futuras gerações sobre o Senhor e a maravilha de seu Amor e sua Salvação, estas crianças confiarão ao Senhor e serão obedientes à sua vontade, escapando de virem a ser uma geração rebelde e infiel.
O trabalho com as crianças exige que se olhe para o futuro com a esperança que elas não serão escravas de Satanás, mas serão servos fiéis; que elas não estarão perdidas, mas salvas eternamente; pois, semearemos em seus corações a preciosa Palavra do Senhor que tem a garantia de não voltar para Ele vazia.
Não haverá ministério eficaz com as crianças sem esta esperança de que veremos os frutos de nosso trabalho, para a glória de Deus.
 
I - INVESTIMENTO
 
Então lhe disse a filha de Faraó: Leva este menino, e cria-mo; pagar-te-ei o teu salário. A mulher tomou o menino, e o criou (Ex 2.9)
Quanto custa formar uma criança? Sem dúvida trabalhar com os pequeninos exige gastos, exige investimentos. Investimentos não só de dinheiro, de material, mas também de tempo.
Quanto trabalho com crianças é feito na base de improvisação e pode-se afirmar seguramente que é para as atividades que envolvem as crianças que nunca se conseguem as verbas necessárias. Embora se saiba que o trabalho com as crianças produz mais resultados do que o trabalho com jovens e adultos, chegando alguns a afirmar que dá um retorno de 90% contra 10%, investe-se apenas 10% nas crianças, quando se investe.
 
Não haverá ministério eficaz com as crianças sem assumir os devidos custos:
a) custos para melhor preparo de aulas;
b) custos para ter-se melhores materiais didáticos;
e) custos para se transmitir melhor o ensino da Palavra de Deus às crianças;
d) custos para se tornar uma influência amiga e marcante na formação da personalidade da criança.
 
O - ORAÇÃO
 
Levante-te, clama de noite no princípio das vigílias; derrama o teu coração como água perante o Senhor; levante a Ele as tuas mãos, pela vida de teus filhinhos, que desfalecem de fome à entrada de todas as ruas (Lm 2.19).
Diante de um quadro terrível, quando o povo estava sendo levado para o cativeiro, levanta-se este desafio do profeta Jeremias: “Clama ao Senhor pela vida de teus filhinhos”
Mais do que nunca há necessidade de oração em favor das crianças. Nada poderá ser alcançado senão através da oração.
Aquele que trabalha com as crianças precisa aprender o segredo da oração por si mesmo, pelo seu preparo, que sua vida seja um exemplo e pala salvação das crianças e seu crescimento espiritual.
É imperioso reconhecer a verdade daquela afirmação de Agostinho: “É mais importante falar de Deus acerca das crianças, do que falar às crianças acerca de Deus!”
Não haverá ministério eficaz com as crianças sem a prática da oração.
 
U - URGÊNCIA
 
“Assim, pois, não é da vontade de vosso Pai Celeste que pereça um só destes pequeninos” (Mt 18.14).
É urgente ganhar as crianças para Cristo. Enquanto crianças elas são mais suscetíveis de serem evangelizadas, de reconhecerem seu pecado, de crerem na pessoa e obra de Jesus.
A medida que vão crescendo, que vão se adultizando, vão também endurecendo os seus corações e ficando cada vez mais marcadas pelos pecados.
Tem sido comprovado que os 85% dos que são cristãos, tomam esta importante decisão entre 15 e 30 anos; 4% após os 30 anos e 1% de 1 a 4 anos.
Esta estatística nos mostra como é urgente ganhar as crianças. Infelizmente muitos não crêem na evangelização das crianças e protelam a comunicação da mensagem.
Quantas crianças acabam sendo igrejadas e não evangelizadas!
Quem trabalha com as crianças deve ter como prioridade conduzí-las à salvação em Cristo, pois esta é a vontade de Deus.
Não haverá ministério eficaz com as crianças sem este sentimento de urgência quanto ganhá-las para Jesus.
 
Sim! Eis aí o Á-É-I-Ó-U do trabalho com as crianças, os rudimentos básicos para ter um trabalho frutífero.